quinta-feira, 28 de abril de 2011

Grandes Sonhos

Trecho do Livro" Prosperidade está na mente" de Katsumi Tokuhisa.
Obrigado por existir
Quem possui grandes sonhos é realmente uma pessoa bastante atraente. Mesmo que a sua vida concreta não seja sensacional, quem sonha alto e age com decisão, atrai muitas pessoas e as conduz tal qual  uma locomotiva na direção de um brilhante futuro. Sonhar é ter esperanças e é ter um projeto de futuro...

Existe tristeza?

Um dia eu me perguntei se existe tristeza!
 
 
Um dia eu estava lá pra baixo, com  a alma caída, a alma pesada, não suportando viver. E ao que tudo indica era uma tristeza. Tristeza crônica, e crônica é quando  não tem cura. Se vive com ela, mas não tem cura. Eu estava quase morrendo de tristeza. Quase! Porque subitamente, do alto do tombo que eu levava, eu pude me ver. Olhar para dentro de mim e ao sentir o que eu sentia, me perguntei o porque! Até parece coisa de louco. Mas a verdade  é que as vezes  nos pegamos dando a mão para tristeza. E essa tristeza  é formada, por nossos sentimento  de mágoas que criamos sempre em relação a outra pessoa. Nunca nos magoamos com os móveis. A gente chuta os móveis. Mas com o outro sempre há essa coisa de ficar magoado. E ficamos magoado seja por que falou mal de nós ou porque não nos deu atenção ou porque nos traiu e ainda porque não nos pagou o que devia, não reconheceu o que sempre fizemos por ele.E ai vai uma lista de coisas. E essas mágoas vão fortalecendo a mão da tristeza. 
 
Mas porque então não mandar o outro tomar no cu quando nos enche o saco. Porque não botar o cidadão em seu lugar  e não levar aquela desavença para nós, para a nossa vida o nosso cotidiano. Porque se importar com o fato do cidadão não se lembrar do nosso aniversário ou cobrar dele mais atenção. Fazemos isso por vaidade, carência, medo de perde o que achamos ser dono.  Se for por esses motivos precisamos pensar em abrir mão da vaidade, da carência e da dependência do outro se quiser se livrar da tristeza. Sei que não é fácil se livrar da vaidade, da carência da dependência do outro. Mas é um preço a ser pago pela liberdade. E comecei a pensar sobre esses assuntos. E digo que é um bom exercício de buscar a alma, essa energia que desconhecemos ser donos apesar de todos falarem.
 
Mas enfim, ai veio outro pensamento. A tristeza de perder a pessoa amada. E essa perda é a dor que nos da a certeza de que temos uma alma. A perda da pessoa amada doe tanto que a gente nem se sente mais gente, não se sente mais nada. E essa pessoa amada, pode ser o amor de sua vida que te deixou por outro, a mãe querida que morreu ou um filho e também um amigo. Todo ser nesse planeta, passou por esse sentimento em algum momento em sua vida. Desde sempre e passará.
 
 A tristeza desse sentimento me tocou. E me perguntei, se havia perdido mesmo. Porque se ela foi com outro, ela nunca foi minha. O meu sentimento é que deu-lhe essa chance de estar ao meu lado. Ela não era minha, apenas o meu sentimento por ela é meu.
 
Quanto a minha mãe, o meu pai, meus avós. São meus pais e avós, mas também são pessoas que estão em meus caminhos, indo para onde se vai e não temos certeza de nada. É a vida, e assim será comigo. A gente chora, sente. Mas nunca mais o tiras de dentro da gente. E um dia eles também pensaram como nós! Temeram em nós perder e essa dor talvez os fez entender que também nós como filhos, não somos propriedades deles, nascemos deles, mas com a nossa própria vida o nosso caminho e ainda assim envolto em todo sentimento que temos que criamos uns com os outros, não podemos evitar o curso da vida de cada ser, em cada geração, em cada momento e sentimento que vão indo com o passar do tempo. 
 
Eu então decidi que tinha chorado tudo o que tinha chorado, e não tirando todos de meus sentimentos, me entreguei a força da vida. Não me poupei em amar de novo seja uma mulher, um amigo, um novo filho o meu pai que se foi, meus avós, primos e primas, cachorro, gato. Porque  se a morte é certa, então é inevitável viver. Não eu não deixei de dar a mão a tristeza, eu apreendi a entender a tristeza e todos os sentimentos que fortalecem a mão da tristeza.
E entendendo a tristeza pude abraçar mais fortemente a felicidade.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Um barco Rumo ao Caribe.

Aqui vai para vocês que curtem o Blog um pequena parte do meu livro. Um barco Rumo ao Caribe. disponível no site  clubedosautores.com.br e Agbook.com.br Espero que curtam! Obrigado.

 Era uma mulher bonita, corpo escultural, delicioso em que dava tesão só de olhar. Vestia um mini saia, um top, óculos escuros e um perfume suave e provocante ao se aproximar. Mateus foi logo oferecendo ajuda. Ela tirou os óculos e sorriu. Foi o motor sem duvida e não tinha a menor ideia do que fazer. Olhou de relance para Manoel e sorriu como que o aprovando. Ele ficou meio encabulado, mas isso não quis dizer que desistisse de uma proposta.

- A senhora esta indo pra onde!

- Ora. Senhora meu rapaz! Que é isso! Meu nome é Lara. – disse passando suavemente a mão sobre o corpo, valorizando-o

- Que nome bonito. O meu é Mateus e este é meu amigo Manoel.

Ela dera a mão e ao segurar sentiu que uma energia gostosa lhes pertencia. Aquela afinidade que não podemos evitar. Olharam-se confirmando essa afinidade. Não, Manoel não poderia deixar pra lá essa afinidade. Sorriram, despreocupados em entrar numa porta aberta em oportunidades de outros sentimentos.

- Estamos descendo pra Santos. – disse Mateus, empolgado com aquela mulher.

- Eu também. Vou tomar um navio.

- O barco pro Caribe!– Perguntou Mateus eufórico.

- Isso mesmo. Mas a porcaria desse carro pifou e não sei o que faço. Eu já liguei para uma oficina que eu frequento sempre. Eles tão vindo ai.

- Mas isso vai demorar?

- Se vai! Mas eu aceito a carona de vocês. E ligo já pro meu mecânico ele pega o carro e depois eu me viro. Eu tenho um seguro.

- Nos também estamos indo nesse cruzeiro – disse Manoel.

Lara quis lamentar, mas engoliu as suas preocupações lhes sorriu.

- Ora, ora, ora. A vida.

Alguns minutos depois desciam a Serra do Mar. Lara ia à frente ao lado de Mateus, olhando discretamente para Manoel através do retrovisor. As suas pernas eram perturbadoras de qualquer concentração. E não se podia evitar em olhar. Realçada pela mini saia, bronzeada. Lara percebia que aqueles dois rapazes a devorava. Mas tinha presa em tomar o navio. Não podendo evitar o olhar, o jeito delicioso de Manoel. Falaram trivialidades e um pouco de cada um.. Eles  tinham ganho as passagens num sorteio. Ela já tinha viajado varias vezes e que eles iriam gostar muito. Eles estavam ansiosos para isso.

- E suas namoradas, deixaram vocês virem sozinhos!

- Namorada! Que isso! Quero conhecer todas possíveis nesse cruzeiro. Disse Mateus. Redimindo-se depois em sua empolgação.

- Esses cruzeiros são cheios de surpresas. Há de tudo um pouco. Cuidado meninos!

- Estamos indo preparados. – afirmou Mateus.

Lara sorriu. E viu que Manoel captou o seu sorriso pelo retrovisor. Ele sorriu em resposta. Não puderam evitar. Um canal estava aberto entro os dois e com o mesmo desejo a cada olhar que não podiam evitar.

sábado, 16 de abril de 2011

HENRIQUE.


                                               A descoberta!


Quando  tinha doze para treze anos, Henrique descobriu que alguns pentelhos começavam a nascer. Foi um momento confuso em sua vida. Porque simplesmente não tinha ideia do que estava acontecendo. Ainda era um menino que gostava de futebol, desenho animado e descobrir novas brincadeiras e assim como um passe de mágica ao tomar o seu banho percebe que já estava ficando um homem. Putz! E agora!

Henrique não sentia vontade alguma de deixar de ser criança , não lhe passava pela cabeça ter que deixar de ser o queridinho da mamãe, o preferido do papai. E muito menos deixar os amigos: Caraca! Será que eles também estão ficando homens. Se estiver, baubau  brincadeiras. E todos os homens  levam uma vida chata. Trabalho, bar, bebida filhos. Tudo o que não cabia em sua vida.  Mas porque a vida tem que ser assim. Porque  temos que crescer!

Henrique, tomou o seu banho, jantou e foi dormir. Estava chateado, cabisbaixo e não quis saber de assistir desenhos animados nem ir brincar com os amigos. Aquilo era demais e era como se o mundo estivesse acabando. Dormiu, acordou as seis da manhã para ir para a escola, voltou pra casa se trancou assistindo tv e quando foi tomar banho, novamente estavam lá. Os malditos pentelhos e pareciam maiores do que antes. Era o fim de sua vida, o fim de tudo. Tudo parecia sem prazer. E  reclamando e se esfregando e se lavando, começou derrepente a tocar o seu pênis. Massageando, e sentindo algum prazer. E o vendo erecto agora, tinha certeza de que já ia se tornando um homem. E começou a se masturbar, pensando primeiramente em si. No seu pênis erecto. Depois com a velocidade dos movimentos uma coisa que nunca sentiu antes começou a esquentar sua virilha. Henrique quis enfiar em algo quente, úmido e apertado o seu pênis. E então uma tontura breve atacou e  fechou os olhos fortemente apertando a sua mão no pênis e com a outra mão segurou na parede. Gozou

Sentindo um prazer nunca antes descoberto, onde uma descarga de energia parecia correr até o seu cérebro e descer pela espinha. E quando abriu os olhos percebeu o líquido viscoso que saiu de seu pênis.  E como a um passe de mágica e ainda que não aceitasse, agora tinha certeza que era um homem. 
O prazer de gozar nunca mais saiu de seus sentidos. E todos os dias, o descobria. Descobrindo que ser homem era bom.
Henrique, mesmo com sua tenra idade  descobrira em sua vida que mudanças sempre nos trás algo de bom.  Logo depois, descobriu-se um pouco mais alto. E passou a ver nas  meninas com outros olhos o que não via antes. Sentindo atração por partes de seus corpos que não sentia antes. Ou ficando irritado mais facilmente. Dormindo mais. Definitivamente estava se preparando para  as próximas mudanças que a vida não o poupara..

Mudanças, descobertas, sentimentos novos que parecem não ter mais fim enquanto  há vida. E não imaginamos chegar tão longe...



segunda-feira, 11 de abril de 2011

Uma nova força.

            


          Eu li nessa semana no portal do IG. que físicos do laboratório nacional de Fermi, "Fermilab" nos EUA anunciaram nesta quarta-feira   uma suspeita que pode ser a prova da existência de uma nova partícula do elemento ou uma nova força da natureza. Basta  que lêem a matéria para mais detalhes.
Mas o fato é que sempre se esta encontrando novas forças na natureza. Novas formas de vidas, novas vidas e até onde podemos supor se trata de tudo que sempre existiu e nós apenas que não sabíamos. Alguém já disse que qualquer novidade na area científica leva pelos menos uma década para ser aceita e partilhada.  E se tudo isso que descobrimos já existia, sim porque cientista algum cria forças ou seres, apenas os descobre e os classificam e o entende o que já é notável.Então temos muito o que descobrir, e se maravilhar e usufruir.E mesmo com toda essa possibilidade e oportunidade sempre nos pegamos em conceitos religiosos mesquinhos que nos limita a ver o poder da criação. É preciso abrir os olhos e celebrar a vida e a criação sempre. Alguém então vai dizer  que a maioria das descoberta são usadas para o mal. Bem, basta ver que quem as usa  são as mesmas pessoas que nunca enxergaram a maravilha da criação, enxergam apenas a mesquinharia de suas vidas assim como interesses mesquinhos do poder econômico como se fossem eternos. A vida sempre os suportas e depois os recicla como tudo aliás.
Mas enfim, a descoberta da possibilidade dessa força me atinou pensamentos de que  se essas forças externa existem, o que não existira de força interna em de nós!
Sim, sempre haverá os céticos e os descrentes e desanimados das coisas da vida, os conformados e os pessimistas que viram com aquela. Isso é coisa para esotéricos, religiosos fanáticos, porque nos seres humanos fomos condenados a ser seres humanos e a nosso vidinha do dia a dia. Ninguém tem poder para nada. 
    
Bem! Basta olhar para nossa espécie e ver o que caminhamos até aqui. Desde os tempos remotos onde tínhamos que matar mamutes para se alimentar até as construções das cidade e a vinda dos impérios e as conquistas e mesmo a todas as barbaridades e tragédias conseguimos exercer sempre a nossa força.  A força da sobrevivência, depois a força do pensamento a força da compaixão entre os seres e os povos, e mesmo a força do ódio, da ira, da guerra. A força da liberdade. 
     
Existe uma força sempre em cada ato nosso seja como cidadão, indivíduo ou coletivamente. Uma força que nos faz vencer, ou uma força que nos faz retroceder e ser derrotado. Há uma força em todas as coisas e não podemos ignorar isso: Há uma força em querer salvar o planeta de uma catástrofe ambiental; Uma força em querer salvar o casamento ou uma força para se levantar após o fim de uma casamento; Há uma força para se fazer um filho e criar esse filho; Há uma força para salvar um irmão das drogas um amigo do álcool, crianças da ignorância, e animais da extinção. Mas há uma força que ignoramos todos os dias. A  força para  nos livrarmos de uma opressão que sempre carregamos. A opressão que não nos deixar ir enfrente, sorrir e conquistar. E essa é a força da opressão que nos impede de ver a força que temos.

Um céu outonal!



Estamos em outono em São Paulo. Friozinho na madrugada, tempo quente a tarde. As vezes chove. Correm já pelos céus nuvens densas e melancólicas. Um ar gelado que  traz a sensação de uma nova estação. Um céu que se pode ver pelas serras quem passa por elas, já de um azul indo para o alaranjado.Pessoas ficando mais em casa. Mas próximas.  O que me faz pensar que a vida segue o seu curso mostrando sempre as suas belezas e peculiaridades.Não importa a estação, inverno primavera outono ou verão. A vida sempre esta nos mostrando os seus tons, formas, cheiros, sabores. E mesmo a esse começo de ano onde um seqüencia de tragédias vem abalando nossa crença um no outro e em nós mesmo experimente olhar essas coisas da vida.  Vai se perceber que a vida é maior e que não para, não deixa de exercer toda a sua beleza e força mesmo quando estamos abalados, tristes, chateados e preocupados. A vida parece não se preocupar, todos os dias está sendo ela mesmo a vida, bela e mesmo no que sentimos como tragédia a vida esta se fazendo, reinventando, inventando. Olhar esse céu outonal, me fez sentir mais força , desanuviou-me de preocupações, me alimentou de se existe uma força para criar tudo isso, essa força sabe o que está fazendo. E podemos nos alimentar dela, admirando a beleza. E entendendo que a vida é mais forte que as nossas dores e preocupações. A vida é mais forte que os nossos medos e os limites que nos impomos. Basta olhar para ela.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Cuidado com as palavras!

Todos nos estamos  consternados com o massacre de crianças  na escola do Realengo no Rio de Janeiro. E assombrados com o criminoso Welliton que na carta usa termos como Impuros. Fornicadores. E usou esses termos em seu Blog. Esse Welliton tem problemas mentais como parece estar claro. Mas encontrou forças em palavras como essas para expressar acomodar a sua loucura . Não vamos aqui condenar nenhuma forma de religião. Porque loucos, dementes, psicopatas nascem todos os dias e não são culpa de religião alguma. Welliton podia ser judeu, católico, espírita, budista, muçulmano, ateu e qualquer outra religião que a sua loucura prevaleceria. Mas sabemos que algumas ceitas usam esses termos com apelo. Os impuros, as pessoas do mundo.  Coisas do mundo. E que a ceitas ou religião que ministram são as melhores, a unica a verdadeira e que os demais não. Eu já ouvi pessoas dizerem que a tragédia de certo país e por causa de sua religião que não a da pessoa. E que o povo de tal continente e amaldiçoado e que tal religião é errada. E esquecem que Deus não criou religião alguma, apenas deixou a sua palavra. Assim como a maioria dos lideres religiosos. E que o amor e o respeito ao outro e a todos e fundamental para ser visto pelos olhos de Deus. Quando usamos palavras fortes como impuros e condenamos outras religião que não a nossa estamos dando razão as loucuras de psicopatas, dementes e loucos que estão sentados ouvindo a pregação seja de qual religião for. 
Por isso, vamos dizer mais sobre o amor, o respeito  a cada um e a todos. E evitar termos fortes que possam ativar loucos e dementes. 

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Uma reflexão.

"  Todas as famílias  felizes se parecem entre si; as infelizes são infelizes cada uma à sua maneira."
Frase de primeiro capitulo de  Ana Karênina 
de Leão Tolstói

Desespero e Paixão!

 Desespero e Paixão! Até parece nome de novela das mais melosa. No entanto ocorre todos os dias em todo o planeta.

Ainda não nos ensinaram o porque um ser pode mexer tanto com o nosso ser causando um arrebatamento de  que entendemos por ser nós próprio  e que nos revela um ser que mal conhecemos. Alguns chamam isso de paixão, outros de loucuras. Alguns tem o poder de evitar outros tem o poder de causar. 
E Vanessa não sabia disso quando acusou  Valfrido.
-  Eu  vi da janela de minha cozinha ele sair da casa de Marya. E saiu correndo desesperado.
- E como a senhora sabia que ele estava desesperado? - perguntou o delegado.
- Porque ele olhava para todos os lados como que se estivesse se escondendo de olhos que  o condenariam por ter esfaqueado a Marya.- Insistiu ela.
- Eu estava procurando ajuda! O meu celular estava sem crédito e Marya não tem telefone fixo. - disse Valfrido.
- Ajuda! - disse Vanessa com desprezo.
- Sim para Marya. Eu a vi caída no chão da cozinha.
- Agora vai dizer que não se lembra! É muita safadeza.- retrucou Vanessa.
- Eu confesso que bebi a noite toda e cai de porre na cama. E quando acordei de manhã Marya estava caída sob o  chão da sala esfaqueada.
- Ta vendo só seu delegado! Ele Bebeu e esfaqueou a minha amiga e depois foi dormir. Seu homicida!
- Eu não sou criminoso! Sou trabalhador e vivo pra minha família. Eu bebo sim, mas não mataria ninguém.
- Todos dizem isso. Olhá só seu delegado esse homem matou a minha amiga.
- Não podemos afirmar! E além do mais o crime foi agora pela manhã . Se caso tivesse sido a noite o sangue já estaria num processo avançado de coagulação.
Valfrido então acalmou-se e olhou para Vanessa.
- Mas porque tanto interesse em me incriminar! Você e a Marya tinham rompido amizade desde que o Herculano apareceu aqui no bairro.
O delegado olhou para Vanessa e  a viu desviar o olhar. E perguntou quem era esse Herculano.
- Um pedreiro que apareceu aqui. Casado mas sai com todas do bairro.
- Saiu com sua mulher!
- Sim seu delegado!
- E o senhor a perdoou!
- Machucou mas eu perdoei! Eu gosto dela e gosto  de minha família. Todos aqui no bairro sabem disso.
O delegado virou-se para Vanessa.
- E ele saiu com a senhora! - o delgado foi direto.
Vanessa começou a chorar em desespero.
- A senhora o ama! - insistiu o delegado
- Eu amo. Amo como nunca amei ninguém em minha vida.
- E a que horas a senhora matou Marya?
Vanessa casada e integra, sucumbiu a paixão de um homem e sabendo que ele desejava Marya por ser mais nova e bela, desesperou-se se perdendo no ódio e medo de perder a paixão de sua vida. Foi condenada por  matar Marya, mas como se tratava de um crime  passional, a qual sempre somos  passional, alguns até  a perdoaram.