domingo, 26 de junho de 2011

A importância do di-a-dia para as nossas realizações.

O dia a dia, para alguns parece tormento e para outros oportunidade.
Saber do dia a dia, é saber  de si. Porque é no dia a dia que existimos e exercemos as nossas capacidades, talentos e   assim sentimos realizando e realizados nessa  vida. Ex: Um padeiro  é no dia a dia que tem a oportunidade de realizar o seu talento em fazer pães. E gostando do que faz tendo prazer e satisfação então o sentimento de realização torna-se dominante e  a realização em qualquer ser traz felicidade e distância de doenças , tristezas e até mesmo da solidão. O padeiro com prazer de viver, então faz pães cada vez mais apetitosos importando somente e realizar o seu talento. Claro que vai agradar.
 E é no dia a dia que podemos exercer toda essa série de eventos que nem mesmo percebemos o quanto de vida há.  Todos nós temos algum talento, alguma capacidade em realizar . E cabe a nós escolher e se dedicar a  esse talento a essa capacidade.  
Porque  quando não temos prazer no que fazemos, satisfação de realização então a falta de paciência  sobre até mesmo a menor coisa nos apodera, causando infelicidade a nós e aos outros.Além de tristeza e frustração. Todos nós  temos os gênese, o gene da realização, da satisfação, porque é o gene da criação. 
Então invista em você e realize, mesmo que trabalhando no que não goste procure  realizar o que gosta nem que for em horas vagas e você vai apreciar o quanto a sua vida se transforma porque você está dando ouvidos a você.

A cor de seus olhos.

A cor de seu olhos me inspiram,
me empolgam a não ser monocromático
Ativam a luz sobre a sombra
e contorna  com sabedoria cores no vazio de minha solidão...
A cor de seus olhos mi inspiram 
a olhar para os meus e saber
que cor a minha alma leva...
Hoje não tem a mesma cor de ontem
e não há ansiedade pela cor de amanhã
A cor de seus olhos em meus olhos
me dão a certeza de todas as cores
que não se pode evitar.
Eu não quero evitar.

Seriam os deuses E.T.s?



Ufos, os deuses e nós.


É um assunto recorrente, polêmico e para alguns dispensável. 
Mas não pude evitar.


O History Channel é um canal de tv conceituado e com  proposta de contar a História  aparentemente isento e  com profissionais renomados. 
Assisto sempre. Mas por esses dias uma série de reportagens sobre Ovnis tem me intrigado. O que pretende o canal com essas reportagens? Nos preparar para  uma grande revelação que os governos já sabem? Ou aumentar a sua audiência? Não, não vou nem mencionar que possa ser uma teoria da conspiração.
Mas, o fato é que assistindo a série de reportagem, percebi o quanto enfático em afirmarem a existência de OVNI  e nada  imparcial  com os comentaristas. Diga de passagem, os comentaristas eram somente escritores de ficção, roteiristas de cinema e editor de revistas especializadas. Gente  boa, mas com imaginação muito fértil e com a mesma empolgação de religiosos pregadores de seus pontos de vista da religião.
Não se ouviu astrônomos nem físicos, nem antropólogos ou historiadores. O que me deixou mais intrigado.
Sabemos que  há acontecimentos, eventos,  fenômenos que desconhecemos, seja natural , de nossa existência ou físico. E que a ciência ainda não tem resposta. Mas a ciência não pode ter resposta para tudo, porque simplesmente o mundo é complexo muito mais do podemos supor ou imaginar. E que qualquer afirmação da ciência leva anos de pesquisas, empenho e dedicação.
Mas dai dizer que não fomos nos humanos que construímos as piramides do Faraós ou dos Maias e que nossos antepassados foram melhorados geneticamente por ets, eu não posso crer. Afinal, não passamos de experiências de ets? Não somos capazes de calcular nem de imaginar a teoria da relatividade?  E que nossa imaginação ao criar  os deuses e demônios  foram inspiradas pelos ets?
Até parece que o canal  está a serviços dos países ricos  que quer doutrinar os países do terceiro mundo, para não evoluírem cientificamente porque não suportariam dividir o mundo ou talvez que vão destruir os países pobres culpando os ets. E afinal tudo foi criado, elaborado e dirigido  pelos ets. Até mesmo a reportagem? Ops! Acho que estou usando  abusando de minha imaginação.

sábado, 25 de junho de 2011

Quando um sentimento nos trai!

A paixão de uma mão só.

Alguém vai dizer: Esse tema de novo! Certamente se trata de uma velha questão que nos toma! 
E que sempre está nos pegando de surpresa. não é mesmo?

Eu postei dias atrás um breve relato de que como encontramos no outro algo de nós. O que é verdade, mas encontramos no outro também um mundo novo, sentimentos novos, comportamento  e hábitos que não é  costume em nós e quando entram em nossa vida  causam algumas mudanças. Ex: Eu não gosto de rock, mas ao lado do ser que estou gostando eu ouço o roqueiro que ele curte.  Quem não passou por isso, mesmo aquele que tem a personalidade dominante, sempre se sede para o outro um pouco. Até ai tudo bem!

O  diabo é que quando entramos numa zona de sombra quando estamos metido num sentimento  forte por alguém e esse sentimento começa a tomar  nossa vida em quase todo o tempo. E ai vem o perigo de achar que o que sentimos pelo outro deve ser correspondido, tem que ser obrigatoriamente respondido. Afinal de contas estamos sentindo algo importante, forte, algo que acreditamos vir de nossa alma e que essa pessoa que gostamos tem que gostar sim de nós, tem que nos amar tanto quanto a amamos. E não aceitamos o contrário, não permitimos sentir o contrário.

Sofremos, sofremos muito por isso.  Não admitimos que o outro não nos ame. Começamos então a enumerar uma série de coisas a favor e contra desse sentimento:
Somos uma pessoa honesta. Sou fiel. Serei um bom pai ou boa mãe. Sou trabalhador, sou esforçado. Ou sou um pecador, estou pagando por coisas que fiz em outra vida. Esse homem ou essa mulher não era para mim... E ai vai..

A verdade é que independente de nosso caráter, ou  ação do destino é que esse sentimento é meu, o sentimento de paixão pelo outro é meu, não  é do outro. O outro não está nesse sentimento o outro não está sentindo essa paixão que eu estou. 

E é muito importante  ter consciência de que é um sentimento meu,   o outro não tem obrigação de senti-lo. E tão pouco os  os deuses de fazer a pessoa que amamos  nos amar. E ter essa consciência nos faz crescer nesse sentimento e encontrar uma saída sem sofrimento e transtornos que geralmente a paixão de uma mão só promove em nossas vidas.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O inicio de uma paixão!


Nesse trecho do romance " Um barco Rumo ao Caribe", Lara conhece Manoel e Mateus e não consegue controlar o seu sentimento por Manoel e ele por ela. Mesmo sabendo que não poderá tocar a diante esse romance, numa viagem de cruzeiro que jamais imaginaria ser decisiva em sua vida. Romance está disponível no site. Agbook.com.br e Clubedeautores.com.br.

Alguns minutos depois desciam a Serra do Mar. Lara ia à frente ao lado de Mateus, olhando discretamente para Manoel através do retrovisor. As suas pernas eram perturbadoras de qualquer concentração. E não se podia evitar em olhar.  Realçada pela mini saia, bronzeada. Lara percebia que aqueles dois rapazes a devorava. Mas tinha presa em tomar o navio. Não podendo evitar o olhar, o jeito delicioso de Manoel.  Falaram trivialidades e um pouco de cada um. Que tinham ganhado as passagens num sorteio. Ela já tinha viajado varias vezes e que eles iriam gostar muito. Eles estavam ansiosos para isso.
     - E suas namoradas, deixaram vocês virem sozinhos!
-         Namorada!  Que isso! Quero conhecer todas possíveis nesse cruzeiro. Disse Mateus. Redimindo-se depois em sua empolgação.
-         Esses cruzeiros são cheios de surpresas. Há de tudo um pouco. Cuidado meninos!
-         Estamos indo preparados.  – afirmou Mateus.
Lara sorriu. E viu que Manoel captou o seu sorriso pelo retrovisor. Ele sorriu em resposta. Não puderam evitar. Um canal estava aberto entro os dois e com o mesmo desejo e cada olhar que não podiam evitar.
Lara guiara-os até o atracadouro. E lá estava ele, exuberante, imenso, todo branco e prata. Iluminado pela luz gloriosa do sol, que em São Paulo não tem a mesma luz. Mateus ia apreciando cada centímetro ao aproximar do porto.  Mal acreditava que entraria naquele navio.  Manoel não era diferente. Para Lara aqueles dois pareciam inexperientes em tudo, deliciosamente inexperientes.
-         Meninos obrigada pela carona! Nos vemos a bordo.

O cuidado de uma amizade.


Nesse trecho do meu romance " Um barco Rumo ao Caribe". Iago mesmo sendo desprezado pelos amigos ainda sim faz valer a sua amizade. E cuida dos dois amigos. Percebe que algo errado está prestes a acontecer. E mesmo que a viagem no navio de cruzeiro prometa muito do paraíso é preciso cuidados.
Este romance esta disponível no site. Agbook.com.br e Clubedeautores.com.br. Boa leitura.



Deram um mergulho na piscina. Depois se estenderam nas espreguiçadeiras e degustaram um delicioso martine. Claro o paraíso. Ao longe Iago os olhava discreto. Parecia que aquele garçom novamente rondava por perto olhando atento e com cautela a deliciosa preguiça de Manoel e Mateus. Iago achou melhor não aproximar. Talvez se observasse mais aquele garçom. Voltou para a sua cabine e viu Lara ser carregada pelos braços pelo comandante do navio, ainda que não soubesse o seu nome a reconheceu quando ela parecia se preocupar com Manoel quando este desmaiou ao ver que estava vivo.  Era uma mulher bonita, mas triste e naquele instante mostrava algumas lágrimas enxugadas. Iago reconheceu também o comandante que a levava forçosamente.
Não sabia o que Manoel tinha a ver com aqueles dois e o que fazia na porta da cabine daquela mulher quando o viu. Mas como dera um golpe e pensara dias e noites em montar esse golpe, apreendera a observar as pessoas e seus atos e as pessoas e seus atos podem dizer tantas coisas até mesmo pode dizer sobre aquele sentimento de desconfiança que temos quando olhamos para fatos como esse. Iago intuía que Manoel poderia estar se envolvendo com algo muito sério. Manteve-se discreto, nem mesmo comentou com Fabíola. Voltou para a cabine e ela estava pronta para o almoço, mas ele não resistiu e antes de irem para o restaurante investiram no prazer de estarem a sós e em lua de mel. 

Um barco rumo ao Caribe.

Mais um trecho do meu romance " Um barco rumo ao Caribe"disponível no site Agbook.com.br e Clubedeautores.com.br.

Manoel cuidadosamente procurou Lara. Ele sentia que um imenso liquidificador batera durante horas muito do que não entendia e do que entendia nessa vida e precisava falar com alguém como Lara. Tudo bem que o sexo ia pintar mesmo, mas depois o papo com ela era bom demais.  Ficou por algum tempo no corredor da cabine tentando ouvir algum sinal de vida lá dentro. Depois bateu. Pensou rapidamente se por acaso o seu marido aparecesse ele inventaria a desculpa de que viera ali apenas agradecer os cuidados que tiveram quando ele sofreu aquele desmaio. Tudo bem teria que ser convincente e seria. Bateu na porta mais duas vezes. E nada. Insistiu e nada. Resolveu procurá-la pelo navio foi até o restaurante, o deque, a ala onde estavam às lojas e os cabeleireiros e nada. Passou pelo bar onde pela primeira noite no navio conversou com aquele garçom moçambicano e ao vê-lo puxou conversa pediu uma bebida e discretamente perguntou se ele se lembrava da mulher que os abordou numa noite dessas.
                            -         Sim claro! Dona Lara. Pessoa excelente.
                            -         É! Pois é. Você a viu por ai.
                      -         Ainda há pouco. Foi para a cabine do comandante.
                      -         A cabine?
                      -         Sim ela é esposa do comandante desse navio. 

O tempo.


    Um dia sentado a beira de meus pensamentos algo se descompôs   em frente aos meus olhos vindo do nada , e  se compôs como o nada.
-  O que!
- Está vagando!
- Eu quero saber por que o tempo...
- Você amanheceu...
- Sim, porque dormi...
- Para viver esse amanhecer.
- Mas, se não quero esse amanhecer...
-Então não deve dormir...
-Mas é impossível não dormir...
- Não! É impossível não amanhecer...
- Por que...
- Quem sabe... Seja tudo uma corrida no tempo para saber por quê...
- Amanhecer...
- Quem sabe...
Descobri então que não dá para filosofar  longe da embriaguês. 

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Frase Genial sobre o amor.

" Se um dia você  tiver que escolher entre o mundo e o amor, lembre-se: se escolher o mundo, ficará sem amor. Mas se escolher o amor, ele conquistará o mundo"...
do genial Albert Einstein

Frases...

" Alguém sabe porque precisamos de tanta evolução. Sempre ouço as pessoas falarem que o que aconteceu , bem ou mal e para a sua evolução. Mas porque?  Porque precisamos evoluir! Depois da morte, continuamos humanos ou anjos, ou unicórnios ou planctos? Na verdade não temos poder algum sobre os acontecimentos da vida. Ou Temos?"
FUI.
Frase num banheiro de motel. De alguém que se suicidou.

AS QUATRO LEIS UNIVERSAIS. 1

1º Lei: A pessoa quem vem é a pessoa certa.
Significa que ninguém está em nossa vida por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor estão interagindo conosco. Há sempre algo que nos faz apreender e avançar todos os dias.

AS QUATRO LEIS UNIVERSAIS 2

2º Lei: Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido.
Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum " se eu tivesse feito tal coisa". O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido e foi para aprendermos alguma lição e seguirmos em frente.

AS QUATROS LEIS UNIVERSAIS 3

3º Lei: Toda vez que você começar é o momento certo.
Tudo começa na hora certa. Nem antes, nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, este é o momento perfeito das nossas realizações.

AS QUATRO LEIS UNIVERSAIS 4

4º Lei: Quando algo termina, acaba realmente.
É simples assim. Se algo acabou em nossas vidas, foi para a nossa evolução. O melhor, então, é seguirmos em frente. Nos enriquecemos com cada experiência.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O outro

" Sempre encontramos algo de nós no outro"
Ouvi alguém dizer isso no metrô  ou mais ou menos isso e confesso que me atiçou a curiosidade. Será mesmo que encontramos algo de nós no outro?  E se for verdade, talvez vem da ai a simpatia que temos por alguém ou o ódio que se tem pelo outro. 
Acredito sim que se possa encontrar algo de nós no outro. Mas o outros sempre tem algo a mais para nós oferecer. Assim como essa pessoa que disse essa frase no metrô. Ela acrescentou muito em minha vida. Talvez por ser igual a mim, um pouco, onde para e ouve o outro. Ou pensa sobre o outro. Mas também pode ser por ser totalmente oposto. Não importa, o outro sempre será um mistério, um mundo que vamos descobrindo ora com algo de nós, ora com algo que ainda não temos.
Ulisses Sebrian

Grande reportagem da SIC.

Assistindo o canal da SIC - o canal português internacional- nesse domingo com frio, pude ver  uma grande reportagem sobre gêmeos autistas. Gil e Afonso. E que num exemplo de amor e dedicação os seus pais e irmãos mais velhos  dão a essas crianças especiais uma qualidade de vida e uma independência admirável. A reportagem é extremamente cuidadosa mostrando  a cronologia da vida de Gil e Afonso, com imagens deles ainda  com um ano de vida e três anos depois com uma vida já social indo a escola onde são muito bem recebidos e brincando com os colegas e irmãos. Já falam muito bem sabem os números e as letras do alfabeto. 
E em especial se percebe que todos os tratam como crianças comuns mesmo com os cuidados que se tem com eles. A dedicação da mãe e do pai é de emocionar assim como das professoras e irmãos. 
Parabéns a essa família,  e parabéns a SIC pela bela reportagem.

sábado, 11 de junho de 2011

O truque da vida.


Num reino distante dentro de cada um de nos, uma só cor existe em todas as coisas e todos os seres e para enxergar essas cores a luz e a contra luz. Assim uma porta é sempre cinza, e sua contra luz é que a faz ser vista, como os pratos, os carros o pai a mãe e os filhos. As escolas e as cidades são cinza, na luz e na contra luz. Todos enxergam assim, assim é o mundo. E todos sabiam que o mundo era assim. Nasciam viviam e morriam sabendo que o mundo é assim.
Mas  a vida está sempre criando, e experimentando e não sabemos ainda, mas desconfiamos que a vida anda mesmo é querendo nos surpreender a cada dia. 
E então, ela apareceu.
Apareceu tímida e desconsertada naquele mundo cinza de luz e contra luz. E estranhamente voava, e voava não levada pelo vento, mas por que queria voar, tinha autonomia para isso.  E estranhamente, assustadoramente era azul . Era uma borboleta azul.
Alguns acharam que era coisa das trevas.- Trevas naquele mundo cinza? Outros que era um aberração da natureza, outros se deliciaram, outros a admiraram, alguns queriam matá-la. Mas a borboleta sobreviveu a todos e assim com apareceu um dia se foi. Ninguém mais a viu, alguns tiveram certeza de que era uma atitude de Deus. Porque não pode ser azul num mundo cinza, e mesmo que todos não sabiam distinguir a cor azul, sabiam que era uma cor diferente. Mas enfim não se falou mais na  borboleta azul. Até que num truque da vida, numa manhã gostosa de primavera, centenas, milhares de borboletas de todas as cores que naquele mundo de cinza de luz e contra luz, ficaram mais vibrantes. Cegando alguns que já eram cegos, e abrindo os olhos de quem estava  disposto a isso. E o mundo que sempre foi certo em sua cor cinza de luz e contra luz, continuo como um mundo cinza de luz e contra luz, tendo agora a amostra da grandiosidade da vida, onde outras cores tomavam a todos. A coisa foi dita  assim. Nesse mundo cabe todas as cores, e formas e vidas.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Mais um mito que criamos!

 Uma mulher nunca se veste para outra mulher? A velha história de sempre!

Algumas pessoas acreditando que estão certas em seu ponto de vista  espalham conceitos que outros acreditam e não analisando passam a outros como se fosse uma verdade e assim  como a uma web, rede, nascem os mitos.

Mitos antigos, que já conhecemos.  Desde que leite com manga faz mal, até o temível inferno, que fica debaixo da terra.  E assim vão entre tantos, tantos mitos, que nos nem mesmo acreditamos mas por vias das duvidas mantemos esses mitos. Ou por medo ou pura preguiça de pensar e avaliar se há verdade ou não.

Bem, esses dia ouvi  mais um mito sendo criado. O  de que toda a mulher se veste, se embeleza para outra mulher! Será mesmo. E se for quer dizer que todo homem se arruma para outro homem? 
Pode até ser que uma mulher dispute espaço com outra mulher, se arrume para provocar inveja em outra mulher. Isso é natural, é saudável, porque é  traço nosso de nossa espécie conquistar espaços. Assim como outro homem, disputa com o outro o seu espaço. E dados os conceitos toda mulher adora uma vitrine de roupas ou cosméticos e todo homem as vitrinas de carro.

Bem, o fato é que nós homens e mulheres somos seres sociais. E ser social, é que nos deu esse aparente sucesso na evolução. Nos caçávamos em bando, e moramos em bando nas cidades, nas casas. Não somos seres solitários, apesar de alguns optarem pela solidão. E cada vez mais que distanciamos da natureza vamos nos tornando mais humanos como somos. Hoje em dia somos seres de redes sociais, mídias, e celebridades instantâneas.  Estamos ali sendo expostos e exibido para todos. Não apenas  mulheres para mulheres e homens para homens. Mas nos expomos para homens e mulheres porque somos sociais, somos assim.

Então uma mulher se veste não apenas para outra mulher, mas para todos que a virem, homens e mulheres, assim como um homem conquista um campeonato  não para outro homem mas para homens e mulheres, para todos. E todos é o social. E a um dando momento o  todo social, não tem sexo. Não é homem nem mulher. o todos social é homem e mulher, que se fundem num novo gênero. O ser social.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Monotonia?

" O dia-a-dia não é monotonia. Nunca vivemos a mesma situação por mais que igual parece serem todos os dias, serem todas as pessoas e seus atos. Um série de acontecimento nos invade!
Um música nova que é lançada.  Uma nova trama no capítulo da novela. Um filme que nunca assistimos o livro que nunca lemos. O crescimento do filho, o envelhecimento dos pais. Um amigo que nos visita, um amigo que se vai. Piadas novas, piadas antigas que nem mais nos lembramos. ...Uma fofoca recente na empresa.O chato do chefe. 
Para alguns, é preciso escalar o Evereste. Para outros o dia-a-dia dá a mesma vertigem. Adrenalina em doses homeopáticas  e quem precisa de mais!
Verve  não custa nada, o prazer  também é grátis. 
E não existe mediocridade em se viver. 
Mesmo que algumas pessoas e seus atos  parecer dizer o contrário."

terça-feira, 7 de junho de 2011

Esquinas.

Essa coisa  mágica que nos faz esbarrar num pouco da vida!
 
Parece coisa  de poeta antropólogo ou canção de românticos, mas as esquinas são realmente mágicas. Ao menos se tiver bons olhos e paciência para  essa experiência.  Elas estão sempre  lá  indo com suas curvas  a uma rua e vindo  com a outra. As vezes alguém se encosta despretensiosamente ou com atenção   em algum poste ou semáforos propositalmente postos ali para marcar uma esquina que do outro lado pode haver outra esquina sem postes . Mas há alguém sempre esperando para atravessar. E onde esta a magia nesse cotidiano?
 
O cotidiano já é uma magia em si nessa nossa vida . Mas é que sempre se pode encontrar amigos, colegas, e velhos e bons amigos.
Encontrar amigos a gente para , conversa e se está com presa diga que liga depois. Ou comenta sobre algum outro amigo. 
Colegas a gente cumprimenta rapidamente, passando sorrindo.
Velho amigo, não. Velho amigo a gente fica contente demais e para o tempo que for  necessário em nossa vida para cumprimentar, saber como esta . Botar a conversar em dia, convidar para ir nos visitar, perguntar da família do emprego do que anda fazendo. Um velho amigo, como o termo diz, faz tempo que é amigo. Mas ai porque a esquina, porque não o resto da rua, um bar... e ai vai.
 
Porque esquina, é esquina, é ponto de referência. Encontrei fulano na esquina da Barão com a Leopoldo. Esquina parece a ponta de um navio dirigindo para algum lugar, um olho indicando algo... Sei lá me encanto com as esquinas...Acho que as cidades seriam tristes se não tivessem esquinas. Existe alguma cidade que não tenha esquina?
 
Sei que muitos irão dizer, que há esquinas desprezíveis, sujas, esquecidas. Essas esquinas um dia podem ter sido diferente, agitadas, com vida. Sei lá.  E se fizermos uma paralelo, uma brincadeirinha filosófica com a vida, a esquina seria uma metáfora de um caminho novo, de algo que nos espera logo ali na esquina. Vai ver se não estamos na esquina.

sábado, 4 de junho de 2011

A sua opinão.


"Deixe o seu comentário, a sua opinião é muito importante porque você é único nesse planeta, nesse universo. Vamos lá deixe um comentário sobre o que desejar para que outros possam desfrutar." 

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Aqua Lilás!

"Enxerguei numa tarde escura de frio leve o perigo de dois metros de solidão
Empurrei a morte.
Fechei a porta na cara da sorte.
Sorte que te encontrei."
Por Ulisses Sebrian

Por mim!

" Um passo à trás e encontrei a ignorância
dois passos a frente encontrei a persistência
Numa volta encontrei a arrogância
num alivío, segui enfrente e dei de cara com a esperança."
Por Ulisses Sebrian

Sabores antigos.

Sabores que  vem de bons momentos de nossa infância.

Dia desses eu tive essa deliciosa experiência, quando ao passar por uma padaria, senti um aroma especial de pão saindo do formo.
E me lembrei rapidamente de minha infância quando as "duas horas da tarde" todos os dias  a minha avó nos chamávamos para tomar o café da tarde onde ela comprava esses pães quentinhos e com o aroma de que saiu do formo aquele instante. Era um momento de carinho e cuidados que ela nos dava. E por mais dificuldades que a família tinha, esses momentos eram sagrados.Ali a mesa, ela nos servia café quente, leite o pão e uma deliciosa manteiga que ela mesmo fazia. Eu ,  meus irmãos e os  meus primos, morávamos todos próximos e todos os dias estavamos ali deliciando o seu café. Falávamos com ela  sobre coisas da família e da escola e de nossas brincadeiras. Ela contava histórias de todas as categorias. E assim ao sabor daquele café da tarde, o aroma do pão quentinho e suas histórias , essa minha avó maravilhosa ia nos ensinando um pouco da vida. E fez efeito, fortificou a mim  meus irmãos e meus primos. De alguma forma, apreendemos o quanto é importante ter diálogos entre todos da família, amigos e colegas de trabalho.
Obrigado vo.