domingo, 23 de janeiro de 2011

O NADA.

Um dia ao acordar, M sentiu que a força da vida havia se ido de sua existência. Foi a primeira vez que não se sentiu. Nada. Nem mesmo o vazio era igual ou o que entendemos de vazio. Não se tinha cor ou forma, cheiro ou som. Não se tinha dimensão. Não se tinha lado, nem direita ou esquerda, acima ou abaixo. Era o nada, nada de existir, nem pensar, nem sentir, nem nada, nada... Era uma doideira! Uma loucura, uma coisa que não se tem palavra nem explicação. Não se expressa , se sente.  M, tinha tudo para não estar naquela situação. Casa, família, emprego, amigos, realizações, dinheiro. M, não entendia porque aquele caos aniquilando a tudo que sentia, acreditava,e imaginou e pensou. Não não tinha duvidas, nem medo, nem dor, nem vazio, apenas sentiu que nada, nada existia. Ele não existia. Nem inferno, nem céu, nem morte nem vida, o nada, nada, apenas o nada.
Então respirou, sentiu o ar, sentiu a vida sentiu tudo novamente. Foram segundos de nada, segundos onde se viu não existir. Respirou, estava vivo, sentia a tudo, sentia falta de todos, de cada uma e de todas as pessoas  que passaram pela sua vida. Se lembrou de todos que pode se lembrar. Agradeceu a todos, sorriu para todos.Sentiu a falta de coisas e momentos, lembranças e de dores. E pela primeira vez em sua vida depois de pela primeira vez em sua vida ter sentido o nada, soube que o homem só é homem porque existe o outro. O homem precisa de outro homem. O homem não é uma ilha auto suficiente. O homem é o homem que precisa do outro.  Não somos nada, ninguém é nada, e coisa alguma é nada. Tudo é preciso e parte, somos. Tão óbvio que nem se percebe. Apenas quando se é o nada se sabe que não é nada.