sábado, 21 de maio de 2011

Ah!

" Ando cansado de ver as pessoas mastigarem o amargo e o imbecil 
e engolem só porque alguns dizem  ser bom.
Quanta idiotice não experimentamos, quanto amargura  nos lembramos.
Quero um sabor novo, ou sabor antigo de que é bom e dura até hoje.
Um sabor que me faça sentir o prazer de mastigar algo que me alimente e não me envergonhe.Me de prazer, o prazer de  sentir e poder compartilhar.
Idiotice são velhos sabores descartáveis, como a amargura."
Ulisses Sebrian.

Coração entediado. Coração entediado!

Lauruana  tinha um coração entediado, que nunca se satisfazia com os seus namoros. Os homens sempre com suas conversinhas típicas de homens não duravam mais que alguns dias em sua vida. Lauruana se cansava rapidinho deles e novamente buscava outros homens, outros namoros. A caça desses homens era mais prazeroso do que te-los. Entrava em uma boate, e mirava o seu olhar para o mais interessante., insistia em seu olhar e pronto lá vinha a sua presa aproximava-se oferecia uma bebida e trocavam telefones e marcavam encontros e se beijavam a primeira vez. E depois na primeira noite e alguns encontros depois começavam a namorar. Para Lauruana  não bastava e duas semanas depois  ou após a primeira transa, desistia do namoro, dava um pé na bunda. E pronto passava para outra caça. Até que um dia meio chateada por todas as amigas terem namorados fixos e ela sempre aparecendo com um novo, o que causava estranheza em algumas amigas. Se tratava até mesmo de um perigo, porque se Lauruana tinha tantos namorados e desfazia deles assim tão fácil, também poderia pegar os seus namorados!
E foi assim que um dia não querendo sair de casa,  a sua mãe recebeu a visita de tia que há tempos não as visitava. Helena tinha já os seus 76 anos, viúva e mãe de quatro filhos e avó de três netos, percebeu que Lauruana estava em casa entediada, bufando algumas  lamentações.
Helena aproveitou que a mãe de Lauruana foi fazer um cafezinho e perguntou o que estava acontecendo.
-Não quero me meter em sua vida mas você me parece tão tristinha!
Lauruana não resistiu, aquela situação que apertava demais o seu coração.
- E estou mesmo. É que não me consigo me acerta com cara algum.
- Como assim!
- Eu estou toda semana começando e terminado um namoro. Não aguento mais.
- Mas são eles o problema.
- Não sei! Eu saio, encontro um  trocamos telefone, conversamos e até ai  a coisa é boa. Mas depois que começamos a namorar fica chato, insuportável e eu quero sair e encontra outro.
-Ora, você não encontrou o cara certo. 
- Mas tá me cansando começar e terminar namoro assim. As minhas amigas estão me evitando.
- Olha só Lauruana, temos a péssima mania de achar que o que é bom para o outro e bom para nós também.Você já parou para pensar que talvez ficar sozinha seja um boa.
- Eu já! Mas não consigo ficar sozinha.
- Ah! Então você precisa de um homem novo sempre.
- Acho que sim, eu sei que é errado...
- Não seja tola! Você é igual a mim! 
- Mas a senhora não foi casada com um homem só?
- Sim. Mas não me satisfazia Eu saia sempre  discretamente, a procura de outros. Nunca deixei o meu lar nem as minhas obrigações, mas como vocês dizem caçar homens interessantes era o meu esporte preferido. Sempre tive casos e casos, mas nunca mais que casos. Você entendeu.
Chocada a principio, Lauruana sentiu esperanças.
- Então, se a caçada é que te satisfaz. Vais nessa. Cuide-se no entanto. E machucar faz parte.
Lauruana pensou no assunto.

MAR PORTUGUÊS

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!


Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas ele é que espelhou o céu.

Fernando Pessoa

Somente um Gênio como Fernando Pessoa é capaz de entender a própria dor e a dor de Seu Povo como o honrado povo português.

O Passado.

"O passado é lição para se meditar, não para reproduzir"
Mario de Andrade

Ideia

Desistir de uma ideia é assinar uma contrato com o fracasso. Foi o que me ensinou um grande amigo, 58 anos mais velho de que eu quando eu ainda tinha 18 anos. E desde então, eu tenho dado ouvido as pessoas mais velhas. Pelo simples fato de que todo ser mais velho quando quer, e digo quando quer, apreende com a vida as lições que esta nos dispõe. E percebo que se trata de algo natural em nós. Sim porque as crianças sempre nos vem perguntar algo que acabam de descobri, alguma palavra nova, algum bicho ou noticia que viram na tv, Ops!, agora na internete. E elas vem com a sede de que sabemos e daremos a resposta correta. Uma intuição, um instinto. Sim, se somos seres sociais é claro que o outro é alguém que podemos contar. E mesmo quando o jovem em sua fase de achar que é dono do mundo se faz de conhecedor de tudo e sabe que é dono de seu caminho, mesmo assim ele ainda vem em busca de respostas com os mais velhos. E assim mesmo aos dias de hoje quando a comunicação entre um ser e outro sem a internete e suas redes sociais, nos dão a impressão de estarem em via de acabar, basta todos abrirem um tempo para a conversar entre as gerações. E se é conversando que se entende  e se apreende porque não trocar ideias e ponto de vista. E que certamente enriquecera mais e mais as nossas vidas, esteja você com 18 anos ou 78 anos.
Quanto a frase, de desistir de um ideia é assinar um contrato com o fracasso,ecoou em mim por anos. E o que apreendi e que se pode desistir de uma ideia sim se essa ideia te prejudicar e a outros, e se você ter avaliado e ver que não iria dar certo mesmo por uma série de razões e circunstanciais. É preciso avaliar sempre uma ideia até transformar em um projeto e buscar realizar. Ai então podemos dizer que desistir de uma ideia boa por medo ou não botar fé em si próprio e assinar um contrato com o fracasso. Eu venho por ano divulgando essa ideia.
Por Ulisses Sebrian

Pense!

" Toda Canção de liberdade vem do cárcere"
Mário de Andrade em seu prefácio do livro Paulicea Desvairada, citando Gorch Fock.


" e esse cárcere, pode ser uma prisão oficial de algum governo fascista, de um sistema público ou de vários conceitos sociais, que nos prende a alma. Nos  prende os sentimentos e o sentir, o desejo e os sonhos."

Poeminha do contra

" Todos esses que ai estão 
Atravancando o meu caminho
Eles passarão
Eu passarinho"
Poema do Grande Mário Quintana.
Obrigado Mário por ter existido.