segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Melquis e Um estranho concurso.


 Naquela manhã fui a padaria comprar o pãozinho sagrado do dia a dia, quando vi um cartaz anunciando Um concurso de mulher diferente.

Mulher diferente?

- Que tipo de mulher seria essa mulher diferente? – perguntei a Cícero o dono da Padaria

- Nos aqui estamos imaginando que seria mulher feia!

- Santo Deus! Como podem!

- Dê uma olhada nos organizadores do concurso.

Lá estava o nome de Mário e Valquíria. AH! Só podia ser os dois.

E em letras grandes a Frase.

“Não faça mais parte da maioria, seja diferente, seja você.”

Não tive duvidas ligue para Mário.

- Que concurso é esse. Mulher diferente.

- Queremos sai do padrão. Melquis. Não dá mais. Há milhares de mulheres no mundo, diferentes e sensacionais como a Valquíria, porque todos tem que ser bonitas.

Mário me desarmou. Eu fiquei sem resposta.

- Não queremos nem uma miss, nem globeleza, nem capa da revista sexy. Queremos a mulher comum, mas com uma diferença a mais.

- Que diferença?

- Magra ou corcunda Anã ou obesa, e assim vai. E olhe só, já temos mais de duas mil inscritas em três dias de divulgação na internet e pela cidade. Vai ser sucesso.

- Vai! – Eu disse sem estrutura alguma.

- E você foi escolhido para ser uns dos jurados.

Pronto. Mário e Valquíria me “convidavam” mais uma vez a participar de suas armações.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A fé em sua força.


Lembrando-se de seu passado árduo, Muvoski não teve medo de seguir enfrente. Graças aos seus tinha em sua mente a força de se estar vivo e se estar vivo é exercer a força que nós faz querer, desejar, sofrer, sentir... Muvoski veio do sul, como todo descendente de europeu daquelas bandas, não tinha medo do frio da chuva do calor nem da solidão das estradas, ou o perigo da noite nas estradas. Não passou fome totalmente, mas racionou o alimento e o dinheiro para comer. Bebeu bastante agua e “Chimarrão” sempre. Para Muvoski o seu objetivo conquistar a Metrópole de tantos desejos. Não quis ficar em Porto Alegre, nem ir para Brasilia ou para o Rio. São Paulo, lhe chamava em canto de seu coração desde que a viu pela primeira vez ainda criança quando os seus pais passeando por ela, apresentou-lhes  os  museus, teatros e regiões de compra. Imensas  lojas de departamento como o Mappin e a Mesbla que já não existe mais. Era um sonho, dias lindos sobre a mão segura de seus pais e que agora com os próprios pés poderia investir nesses sonhos nesse desejo guardado.

Muvoski ao chegar à cidade, encontrou logo uma pensão para morar. Encontrou também gente de todo o mundo. Português, Italianos, Indianos, moçambicanos e haitianos, eslavos e Nossa tanta gente... Era isso que queria um pouco do mundo ao seu lado. São Paulo lhe dava isso. E lhe dava emprego e nem esquentou a bunda e logo encontrou emprego. Os demais da pensão também. Podia não ser o emprego do sonho, mas sem dinheiro não irão ficar.

Muvoski sabia que teria que investir mais, se acomodar já mais.  E do emprego onde fez amizades, encontrou contatos, arrumou um emprego melhor, depois outro e outro. Guardou dinheiro. Não se importou de andar três horas de ônibus todos os dias. Não se importou com seu emprego. Deu muito valor a sua força de vida, de estar vivo e poder ir e lutar e conquistar.

Muvoski que plantou fumou, lavou pratos, varreu hospitais agora tinha um taxi. Mas o seu objetivo o seu sonho o seu desejo guardado é também uma ideia. Uma ideia que descobriu ser fundamental e que aquela metrópole precisa muito. Uma ideia que somente o dia a dia de São Paulo poderia lhe dar.

Muvoski iria economizar o ano todo com o dinheiro do taxi, e no ano que vem abriria uma firma de pequenas entregas a custo justo e rápido.  E mesmo que dormindo 4 horas por noite, Muvoski não perdia a fé em sua força de realizar, de conquistar e na cidade que lhe deu oportunidades e depois se sabe lá qual boa ideia viria na necessidade do dia a dia da Metrópole fundada por Jesuítas e índios e construída por gente dos quatro cantos do mundo como ele que não tiveram medo da força que a vida lhes deu.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Pode-se medir a tristeza?

Ana se perguntou quando um amigo a interrogou o porquê ela não chorou na despedida de um amigo querido do trabalho. Afinal, todos ficaram emocionados com as palavras de gratidão, carinho e companheirismo que dirigiu a todos.

“Mas eu fiquei emocionada sim” – respondeu Ana ao amigo.

“Não pareceu!” – insistiu o amigo.

“Mas é preciso chorar lágrimas como todo mundo para mostrar que estamos emocionados, tristes e felizes?” – disse Ana já irritada com aquela insistência.

“Geralmente as pessoas choram sim para dizer que estão tristes  ou felizes.”

Ana não disse mais nada, ficou preocupada. Talvez o amigo tivesse razão. Enfia a festa de despedida do amigo acabou todos foram para a casa. Ana ao se deitar ainda tinha as palavras do amigo em seus pensamentos lhe perguntando constantemente o porquê ela não chorava.

Ana foi buscando sem seus pensamentos e  como a uma conta numa tela digital foi se lembrando das vezes que nunca chorou . Cenas de filme, cenas de novela, . Nascimento de primos e filhos de amigos. Casamento... E... Acho que todos tem razão...

Então Ana se lembrou de sua avó.  A sua alma se iluminou  imediatamente.

O carinho e a segurança do  colo de sua avó percorreu as suas emoções, destravou antigas felicidades presas em seus sentimentos contidos. Felicidade e carinho vivido constantemente ao lado de sua avó. A mesma avó que a criou desde sempre que se lembra.
 
A mesma avó que lhe deu  doces e amor, a mesma avó que sentia ser sua mãe, a mesma avó que amou como mãe e avó . A mesma avó que adoeceu fatalmente e Ana viu definhar durante anos, e mesmo assim não deixou de dar amor.  E quando um dia o ciclo da vida se cumpriu a sua avó morreu. Ana sentiu o tamanho da tristeza de ver a morte de uma avó, de uma mãe de uma amiga.
Ana não suportou tanta dor. Tinha 16 anos, e pela primeira vez em sua vida no corpo, nos sentidos.  Ana chorou então o dia todos do velório, do sepultamento e durante dias e meses a perda da  avó.
Compreendendo assim o tamanho de uma tristeza, não se importando mais com tristeza menores do dia a dia.
Naquela noite ao se lembrar de sua avó, chorou mais uma vez de saudade alegre das coisas boas vividas. A partida dela já não tinha mais importância, se vai mesmo nessa vida. Agora estava bem sabia que não era nenhum ser frio e seco que não chora as suas emoções. A morte de sua avó  lhe lembrava sempre o tamanho de uma tristeza.



 
 

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Siribipiunas , uma testemunha.

As árvores da Rua 4 na zona leste  nunca foram testemunhas crível, para a justiça. Mas uma Siribipiunas de alguns conturbados 23 anos, guardava  em seu tronco o projetil  de um disparo que  disse adeus e vá  com Deus e ele foi mesmo a   Waldisnei  Perrone Alcântara.   

Claro que o homicídio e todos sabem está calcado na ancestral razão de matar que todo homem carrega consigo. A inveja! – sim ela também. Mas   no caso estamos falando da primeira razão. Dinheiro.  E um pouco de poder. Bastante poder.

Waldisnei e dono do Hotel Alcântara, hotel 4 estrelas   que herdou já prontinho e que cada  alma que se hospedou nesse hotel  com suas diária pagas contribuiu, para o caviar, o champanhe as viagens de cruzeiros e as Mercedes que Waldisnei trocava todo ano.

Mas ultimamente, Waldisnei que virou espirita recebeu a visita de um velho amigo que se converteu também a uma dessas religiões pentecostais e que são contra ainda não se sabe por que, ao espiritismo. – Há ai mais uma velha disputa de razões e ponto de vista que tem acompanhado nos humanos que não sabemos o que somos e nem porque aqui estamos.

Waldisnei recebeu propostas tentadoras para se tornar pastor e abrir centenas de igreja pelo país. O lucro é certo, disse o amigo, já que se não paga impostos sobre a exploração da fé.

Waldisnei nunca aceitaria porque  nunca trabalhou na vida, apenas administrou bens em sua vida. Por isso, qualquer compromisso com horários rígidos o incomodava.

O amigo o acusou de ter um pacto com Satã, já que para ele o espiritismo é regido por esse grande inimigo do mal criado por Deus. Porque Um ser criaria um inimigo? Ao que se sabe Freud morreu sem explicar convicentemente essa questão.

E o fato é que a briga entre interesses, dinheiro e trabalhar e não trabalhar se intensificou até o ponto em que...

A policia ainda investiga se Robnilsom o amigo pastor de Waldisnei é o autor do projetil encontrado sobre o silencio da siribipiunas da Rua 4 na zona leste.

Os fiéis seguidores de Robnilsom estão protestando como perseguição religiosa não da mesma maneira que perseguem os espiritas, macumbeiros, e as Testemunha de Jeová. A imprensa não deu muita  atenção ao caso. A população também não.

Apenas a siribipiunas parece querer que resolva o caso rapidamente porque aquele projetil em seu tronco incomoda o fluxo de suas seivas.