quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A fé em sua força.


Lembrando-se de seu passado árduo, Muvoski não teve medo de seguir enfrente. Graças aos seus tinha em sua mente a força de se estar vivo e se estar vivo é exercer a força que nós faz querer, desejar, sofrer, sentir... Muvoski veio do sul, como todo descendente de europeu daquelas bandas, não tinha medo do frio da chuva do calor nem da solidão das estradas, ou o perigo da noite nas estradas. Não passou fome totalmente, mas racionou o alimento e o dinheiro para comer. Bebeu bastante agua e “Chimarrão” sempre. Para Muvoski o seu objetivo conquistar a Metrópole de tantos desejos. Não quis ficar em Porto Alegre, nem ir para Brasilia ou para o Rio. São Paulo, lhe chamava em canto de seu coração desde que a viu pela primeira vez ainda criança quando os seus pais passeando por ela, apresentou-lhes  os  museus, teatros e regiões de compra. Imensas  lojas de departamento como o Mappin e a Mesbla que já não existe mais. Era um sonho, dias lindos sobre a mão segura de seus pais e que agora com os próprios pés poderia investir nesses sonhos nesse desejo guardado.

Muvoski ao chegar à cidade, encontrou logo uma pensão para morar. Encontrou também gente de todo o mundo. Português, Italianos, Indianos, moçambicanos e haitianos, eslavos e Nossa tanta gente... Era isso que queria um pouco do mundo ao seu lado. São Paulo lhe dava isso. E lhe dava emprego e nem esquentou a bunda e logo encontrou emprego. Os demais da pensão também. Podia não ser o emprego do sonho, mas sem dinheiro não irão ficar.

Muvoski sabia que teria que investir mais, se acomodar já mais.  E do emprego onde fez amizades, encontrou contatos, arrumou um emprego melhor, depois outro e outro. Guardou dinheiro. Não se importou de andar três horas de ônibus todos os dias. Não se importou com seu emprego. Deu muito valor a sua força de vida, de estar vivo e poder ir e lutar e conquistar.

Muvoski que plantou fumou, lavou pratos, varreu hospitais agora tinha um taxi. Mas o seu objetivo o seu sonho o seu desejo guardado é também uma ideia. Uma ideia que descobriu ser fundamental e que aquela metrópole precisa muito. Uma ideia que somente o dia a dia de São Paulo poderia lhe dar.

Muvoski iria economizar o ano todo com o dinheiro do taxi, e no ano que vem abriria uma firma de pequenas entregas a custo justo e rápido.  E mesmo que dormindo 4 horas por noite, Muvoski não perdia a fé em sua força de realizar, de conquistar e na cidade que lhe deu oportunidades e depois se sabe lá qual boa ideia viria na necessidade do dia a dia da Metrópole fundada por Jesuítas e índios e construída por gente dos quatro cantos do mundo como ele que não tiveram medo da força que a vida lhes deu.