Mostrando postagens com marcador sabedoria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sabedoria. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 27 de março de 2014

No curso de nossas vidas.


Manoel por muitos anos passava a suas tardes ali sentado no mesmo banco da praça no final da rua, onde podia olhar o rio calma porem profundo que seguia o seu curso há  milhares de anos, assim como todos nos seguimos o nosso curso no tempo de nossa existência. O rio é muito querido pela sua cidade. A cidade que soube preservar as suas águas e suas margens ainda com a mata original e cheia de vida. A cidade não era grande, mas era sabia.  
http://migre.me/sH9YJ

Manoel sabia dessa sabedoria, tinha a sua sabedoria também. E coisa que nunca foi em sua vida foi ser arrogante. Arrogância é igual o medo, sempre nos cega de encontrar coisas maravilhosas. Manoel sentado ali em seu banco olhando as aguas calmas do rio pode ver em suas memorias, um momento para trás, que viveu.  E se lembrou de que ao dizer que nunca foi arrogante estava sendo arrogante.

- É melhor dizer que tenta não ser arrogante! – Disse sorrindo. – A gente é um pouco de tudo nessa vida, não tem jeito!

Manoel se lembrou de que um jovem um dia correndo com sua motocicleta caiu naquele rio.  Ele vinha correndo desesperado e ao fazer a curva perdeu o controle e foi para um lado e a motocicleta para dentro do rio. Não sofreu nada, apenas a motocicleta que foi levada pela águas.  Manoel estava sentado ali, e correu para ajudar o jovem. O jovem desesperado queria se jogar no rio para pegar a moto. Manoel o segurou e disse que seria melhor irem pegar uma corda e amarrar nele para que não se afogasse.

- Qual é velho até você achar essa corda a minha moto se foi. Me larga logo e fica ai no seu banco...  – gritou o jovem que empurrou Manoel e depois mergulhou no rio atrás da moto que já ia  pra longe das vistas.

Manoel ficou irritado com a atitude do jovem e sua arrogância e chama-lo de velho e desocupado. E fez o que o jovem pediu, ficou sentado em seu banco, torcendo para que o jovem se desse mal. Estava   muito revoltado com a atitude daquele jovem.

Algum tempo depois o jovem voltou todo molhado pela margem do rio, desanimado e cabisbaixo.

- Conseguiu pegar a moto! – perguntou Manoel satisfeito.

- Ta vendo ela aqui?

- Não! – disse Manoel satisfeito segurando o seu sorriso de prazer.

O jovem olhou para ele e não disse nada. E foi embora em seu desânimos e tristeza.

Manoel ficou contente, afinal e contas a arrogância daquele jovem o fez perder a moto.  E a noite para comemorar Manoel pediu uma pizza. Não  na pizzaria que pedia sempre. Pediu uma pizza cara, da pizzaria mais cara e famosa da cidade. E quando abriu a porta para receber a pizza, reconheceu o jovem que perdeu a sua moto no rio ainda naquela tarde. Manoel viu que ele estava triste e muito chateado. Era um homem com uma derrota que amargava. Manoel ficou sensibilizado e esqueceu o seu contentamento de antes.

- E sua motocicleta, conseguiu encontrar. ? – Perguntou novamente.

- Não.  E agora vou ter que pagar por ela! Aquela motocicleta é dono da pizzaria. Ele havia me emprestado naquele horário para eu ir ver o meu filho que acabou de nascer.  Eu estava tão feliz, que queria ver logo o meu filho e me descuidei.  Acho que fui rude com o senhor. O senhor me desculpe, mas eu estava desesperado.  Boa noite!

Disse o jovem e se foi. Nem quis a gorjeta. Manoel ficou ali na porta olhando o jovem ir em sua tristeza e na amargura que seria para ser o dia mais alegre de sua vida. Um jovem entregador de pizza não deve ganhar muito. E agora com um filho.

Manoel naquela noite não comeu a pizza e ficou acordado digerindo a sua arrogância em não ter compreendido a situação do acidente do jovem e sua motocicleta.  A gente não pode se deixar levar pela ação do momento, todo momento é a soma de tantos outros momentos. Às vezes ruins e bons.  

Manoel não tinha dinheiro para comprar uma motocicleta daquela para o jovem, mas ligou para alguns amigos que tinham barco e no dia seguinte numa aventura saíram procurando a motocicleta  pelo rio. Levaram três grandes dias longos até encontrar a motocicleta e tira-la das profundezas do rio. Usaram de um pequeno radar e cabo de aço para tirar a motocicleta. A levaram para uma oficina lavou-se a moto e ajustou tudo o que precisava ser ajustado. Esse concerto Manoel pode pagar. E depois entregou na pizzaria sem se identificar. Deixou apenas um bilhete para o jovem.

“Obrigado por me ensinar a não ser tão arrogante. E felicidades com seu filho”.

O jovem soube de que se tratava. E na mesma noite, entregou uma pizza grátis para Manoel com a foto de seu filho e um bilhete.

“Obrigado por me ensinar a não se tão arrogante.”

E ao se lembrar desse momento em seu passado, olhou para o rio e viu o quanto de caudaloso, profundo e suave podemos ser no curso de nossas vidas.

domingo, 10 de junho de 2012

Sabedoria de uma boa conversa.


Sempre que parei por algum momento em minha vida e conversei com alguém pude apreender algo.

Talvez não importasse naquele momento o que esse alguém me disse, mas em outros momentos foi útil e sempre me pego surpreso com isso.

Apreendi que todos têm algo para nos dizer e acrescentar em nossas vidas.

Porque simplesmente esse alguém viveu o que não vivemos.

Às vezes estamos num momento de egoísmo, de empáfia, se achando o bom. E que o outro é um reles, um ser qualquer um Zé ninguém. Ou como se diz hoje em dia. Esse cara não tá  em meu circulo e não tem nada a ver com o meu foco. E como sempre, deixamos passar bons momentos e algum aprendizado.

Claro que há sempre o problema do tempo. Às vezes nos falta tempo e por isso mesmo às pessoas estão mais pobres de experiências, menos vividas. – usando o português casual.

Conversar é sempre uma troca de experiência. E conversar com pessoas fora de nossos círculos é ainda mais enriquecedor.

E numa dessas conversas que um alguém me disse:

“Mesmo o pior livro, o pior filme sempre tem algo que não sabíamos que nos emociona e nos enriquece”.



Levo esse aprendizado para os momentos que disponho para conversas. Sejam em supermercados, filas de banco, ônibus...

Às vezes há chatice, mas quase sempre se pode tirar algum proveito.

Bom proveito.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Colunas da sabedoria

" A sabedoria  têm colunas que a sustenta. 
São colunas que criamos e destruímos 
Ouvir sempre o outro é uma coluna,
e outra coluna e entender o que se ouve.
Não basta apenas olharmos para a pessoa e ouvir as suas palavras.
Saber o que as palavras dizem em  suas entrelinhas 
fortalece  a sabedoria...
Os gestos, tão simplesmente também contam.
Uma pessoa não fala apenas com as palavras...."

Uma bela sabedoria não é mesmo.