segunda-feira, 5 de julho de 2010

A Enfermeira Helga.

Acho que todos já ouviram falar do caso da enfermeira Helga. Uma senhora de cinquenta e poucos anos, vinda do sul e acusada de ajudar meninas a fazerem abortos. Helga ficou famosa porque uma menina de 16 anos morreu em suas mão fazendo o aborto, isso virou noticia há alguns anos e prato cheio para jornais sensacionalistas e programas de TV sem criatividade que fazem de tudo, de tudo mesmo para ganhar alguns pontinhos de audiência.


Pois bem! Considerações aparte, um dia eu dei de frente com Helga num elevador num edifício da Berini, e reconheci rapidamente o seu rosto. Na época dos fatos eu estava pensando em procurar algum especialista nessa área, pois eu tinha uma amante que suspeitou que estava gravida e como sou casado com dois filhos achei que seria uma saída pra roubada que eu havia me metido. Claro, que a gente só pensa no nosso rabo numa situação dessa. 

Não pensei  na minha amante, o possível bebe. Eles  estavam atrás, bem atrás do medo que eu tinha diante da situação de minha mulher oficial vier a saber. Mas resumindo o fato é que minha amante se enganou, não estava grávida e como eu não havia sugerido aborto nem abandona-lá ela me garantiu que foi apenas um teste para saber até onde ia o meu cara ter. Por mais paradoxo que isso possa ser. Mas ai aliviado eu disse que cuidaria da criança e dela desde que fosse em sigilo. 

Ela sabia que eu tenho esposa e outros filhos. E ficou feliz. Um ano depois eu terminei com ela, alegando que não tinha mais sentimento, tesão por ela. Ela chorou, argumentou e coisa e tal, e no fim sendo mais nova do que eu, aceitou o fato e hoje namora e está pra casar.


Mas toda essa história me fez pensar em minha vida, sem moralismo ou crise de consciência, eu percebi que aquela situação havia disparado um apito de emergência e que eu poderia me dar mal. A minha amante é mais nova 20 anos,acharia outro como achou e me trocaria sem pensar.


A minha esposa e meus filhos já não estariam mais  em meu dia a dia e eu certamente estaria sozinho, ou procurando outra pessoa e novas emoções e problemas. Não, não era pra mim.
Estou mais feliz com a minha vida, não tenho amantes, apesar de dar uma escapadinha de vez em quando. Coisa que não consigo evitar. E acho que vou morrer assim.
Mas o que Helga tem a ver com isso?


É que eu simplesmente não consegui condena-la pelas acusações feita. A partir do momento que ela entrou no elevador, eu a cumprimentei. Comentamos algo sobre o frio que estava fazendo. O cheiro de café da recepção e depois como duas pessoas em seu dia a dia nos despedimos como duas pessoas adultas.


Eu poderia não ter olhado em sua cara, como ela deve ter experimentado de varias pessoas. O aborto é uma questão polêmica, são vidas em jogo tanto da mãe quanto do bebe. Meninas de 16, 17, 15 , anos vivem esse drama e acho que somente uma mulher seja ela a idade que tenha pode ter a dimensão do que é botar uma criança no mundo, e se não for casada  será  condenada a todo instante por isso. Nós homens fazemos e pronto, saímos sem complicação alguma. Para um mulher não. Ela sempre vai carregar consigo, o bebê se gerar e o aborto se o fizer. Helga talvez como eu tenha entendido essa dor das meninas, e por isso fez o que fez. Ela foi condenada, mas saiu por bom comportamento, fiquei sabendo tempos depois.
E apreendi que nós como sociedade devemos discutir esse assunto.
Sexo a maioria vai fazer mesmo.


O que precisamos é botar a responsabilidade também no homem, porque há centenas de mulheres que tem filhos e nem sabe o nome dos pai, ou evita. O estado nesse caso tem que intervir sim. E toda mãe que der a luz a uma criança tem que ter o pai por perto, seja amante, marido, namorado, ficante. E se não tiver o pai tem que achar e provar por meios de método do DNA e outros encontrar o pai e o fazer cumprir a sua missão de pai, já que ele também fez o filho.
Não podemos mais nos calar, ou apenas nos omitir.
Crianças ainda continuam nascendo de meninas e mulheres acuadas.