segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Amar.

 Amar.

 

- Meus parabéns. – Ele disse num sorriso sincero, segurando milhões de tonelada de um sentimento que lhe pertencia.

- Ah, obrigado. Reinaldo, você sempre legal comigo. E confesso a você que estou muito feliz .

- Estar feliz é muito importante.

- Ah, mas é tão natural. Eu amo mesmo o Lucas... Tanto anos de namoro e pensei que nunca ia passar de namoro mesmo. Já estava até me acostumando.

Lisandro chegou gritando feliz, abraçou Mayara  dando uma folego para Reinaldo desfazer seu sorriso, olhar para o chão , para dentro de si e ir para uma galáxia distante da felicidade de Mayara. Estranhamente sentia-se bem. No bem que uma maturidade dos sentimentos acaba de se instalar em sua  vida.

- Mayara, amiga, que noticia boa. Você e o Lucas são perfeito um para o outro. Nunca vi um casal ter tanta sintonia. Não é mesmo Reinaldo.

- Perfeita Sintonia.

Mayra aproximou-se de Reinaldo e o abraço sorrindo.

- Ele pensa que eu não sei que deu uma dura no Lucas para agilizar esse casamento.

- Sério?

- Eu apenas disse que ele precisa tomar uma atitude.

- Nossa isso é coisa de amigo, mesmo.

- Sim, por isso Reinaldo será meu padrinho de casamento juntamente com você amiga. Vai ser na igreja da Santa Cecilia.

Lisandra festejou. Reinaldo agradeceu o convite de seu jeito que todos conheciam a tempo. Homem alto, de voz controlada, seguro no olhar e nas palavras. Sempre sério, mas com um sorriso de sempre que manteve. E que nunca revelou ao mundo, o seu amor por Mayara desde a primeira vez que viu. Desde primeira vez que o irmão Lucas lhe apresentou com sua namorada.

Mayra se casou com toda sua felicidade. Reinaldo, se casou em todo seu amor por Mayra com outra mulher. Teve três filhos amou todos, envelheceu vendo Mayra e Lucas criarem seus filhos também sem nunca dizer a ninguém do seu amor.

Um dia quando passava férias com a família em  um resort na Bahia, tirou um momento para caminhar.  Chegou até um penhasco que o Atlântico se estendia até  um horizonte infinito em que se pode imaginar tudo o que vem além desse horizonte. E a maior força que encontrou foi o seu amor, a esperança de seu amor. Não em ter Mayra ao seu Lado, como mulher. Mas a força de pode amar. Amar .


Deixe um comentário. Obrigado

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Energia eterna do amor


Isabel e Tiago se separaram após doze anos casados. Não foi uma separação traumática, mas  os dois não estavam felizes um com o outro a muito tempo.

A separação de alguma forma necessária para os dois.

Isabel ficou com a casa, como o combinado com Tiago que se mudou para um apartamento menor. Teve que comprar cama, fogão, geladeira, tv e armários. Resolveu economizar devido o preço do aluguel.  Procurou pro alguns Brechós de São Paulo e encontrou o que queria o preço que queria em um. Comprou tudo de uma vez e por fim viu um cobertor. 

Olhou para ele pensando se tinha coberto nas poucas coisas que trouxe da casa antiga na separação.

O cobertor era macio, suave, estava limpo. Tiago aproximou o cobertor de seu rosto sentindo a maciez e exalou o perfume do coberto. Era de mulher! Sim o cheiro dizia que era de mulher. E a estranheza do perfume que o fez se sentir bem o tomou de sentimentos novos... – Vou comprar, disse para o  vendedor do brechó.

No final de semana que aproveitou para montar os moveis e arrumar a nova moradia, Tiago, estendeu-se a cama com lembranças de seus casamento. Por vezes teve vontade de voltar, ligar para Isabel e dizer que... A solidão devassa a racionalidade do homem... Tiago chorou... E dormiu de janela aberta acolhendo a solidão da noite, sentindo o ventinho leve do fim do verão.. Ignorando a chuva...

Algumas semanas depois e três bebedeiras infernais que o causou dor de estomago.  Tiago  foi ver os filhos, voltou mais triste ainda no final de semana. Um lar s se foi assim da noite pro dia, o seu lar.

Tiago bebeu e dormiu novamente com a janela aberta.  Ainda era verão, calor de trinta graus  e na madrugada estranhamente Tiago sentiu frio..

Levantou-se da cama e pegou o cobertor,  que desde que comprou nunca mandou  lavar..

Ainda com o sono da bebedeira o tomando, esticou na cama e se cobriu com o cobertor. Ao se cobrir, sentiu o perfume intenso e suave. – É ela, o perfume dela... – disse de uma verdade inconsciente, forte atuante em sua alma.  Se abraçando ao cobertor se  envolvendo ao cobertor , sentindo a macies o perfume, sentindo a densidade da energia do carinho de quem usou o cobertor por muito tempo, talvez toda uma vida.

Ao acordar na manhã seguinte, Tiago não sentiu mais  a solidão de até então, não sentiu mais vontade de beber, nem saudade de Isabel.. Ao acordar, a vida era outra.

Meu Deus que loucura. – disse classicamente e foi trabalhar.

A noite quando voltou, sentiu-se ansiosos por dormir. Por deitar e tomar  o cobertor em seu corpo novamente.

Ainda com o final de verão dominando a noite, Tiago deitou estendido sobre o cobertor, e cobriu-se. Sentindo o carinho, a energia do carinho que nunca sentiu antes. – Caramba! – disse feliz e assustado em seus pensamentos e prossegui tomando o cobertor e envolvendo-se com ele. A energia do cobertor, do carinho de quem cuidou daquele cobertor o dominou, tão forte e carinhosa que não quis resistir, lhe fez tão bem que não perdeu seu  tempo em tentar uma resposta. Era o que precisa, era o que precisava em sua vida. E dormiu mais cedo do que de costume, dormiu mais cedo como nunca dormiu antes assim tão cedo, nem mesmo quando criança.

Acordou bem, tão bem que assoviou “ Eu me amo eu não consegui viver sem mim..” antigo sucesso da Blitz que não soube por que se lembrou. Era tanta felicidade que mesmo no emprego, todos estranharam.

Até mesmo Isabel. – Já está com alguma?

Tiago, tentou dizer que não, mas não pode. Estava  feliz como se alguém preenchesse suas necessidade de outro alguém.  E mesmo assim não tinha ninguém, apenas a macies e energia do carinho de alguém que usou e cuidou de um cobertor.

As coisas não eram mais as coisas, era tudo diferente, mas pra melhor. Tiago não se importou com o mundo, nunca disse a ninguém, mas o cobertor por fim lhe bastava.

Todos as noite ao chegar do emprego se envolvia com o cobertor. Dormia cedo, não sai pra beber com os amigos, e nos finais de semanas quando não visitava os filhos, estava envolvido com o cobertor.

Um dia ao sair pra trabalhar mais feliz do que nunca, olhou para a cama onde o cobertor dormia após a intensa noite, e fez a difícil pergunta que todos fazemos a nós mesmo, para se certificar de que não estamos loucos. O que está acontecendo comigo?

Porque esse cobertor me basta! Porque eu durmo bem, acordo bem e nem me lembro se sonhei, e se sonhei não me lembro do que sonhei. Mas sinto, o carinho o amor... O amor... Não... o amor...

O amor, bastou para Tiago. Bastou muito e após meses dormindo feliz com o coberto, Tiago não acordou.

Isabel, disse Estefani, sua melhor amiga, claramente que tudo era um transtorno para ela. A morte de Tiago era um transtorno:  Reconhecer o corpo, fazer o velório, e consolar os filhos.

- Mas tudo é estranho! Você não acha! Tiago era novo, quarenta anos apenas. Forte saudável. E morreu com coberto em pleno verão?

- Sim, e morreu feliz. Agora tenho que ir lá, pegar as coisas e entregar o apartamento você vem comigo.

- Vou sim! Acho essa historia tão estranho. A autópsia deu alguma coisa razão pela morte do Tiago?

- Nada! Tiago era esportista, não usa droga, se cuidava.  Acho que foi sua hora. Acho bom que tenha sido assim, ele já havia se afastado das crianças e isso ajuda.

- Os meninos já estão grande. Sofre menos! E você?

- Eu! Sei lá! Já havia desistido dele faz tempo. Sabe, eu nunca o senti perto de mim, nunca senti companheiro. Eu sei que ele gostava mais das crianças do que de mim.

- É amiga, você acha que ele nunca esqueceu a Tainá.

- Estefani! Por favor !

- Desculpa!

- Sei -lá! Ele nunca falou o nome dela depois que nos casamos.

- Não vou comentar, mas o que você fez era para ele esquecer mesmo.

- Eu estava apaixonada, muito apaixonada. Tiago era lindo, forte tudo que a gente busca num homem. No começo a gente foi feliz, mas depois...

- É.... Sei lá. Ah! Você sabe que Ela morreu.

- Ela quem?

- Tainá!

Isabel freio o carro bruscamente  muito enfurecida.

- Aquela desgraçada tinha que dar esse golpe.

- Do que você está falando?

- Agora os dois estão juntos!

- Estão mortos!

- Sim , e juntos! E isso é justo! Droga de vida, nada é como eu quero!

Estefani, levou a mão na boca  assustada.  Isabel, chorou de raiva e inveja.

Ao entrarem no apartamento Isabel se sentiu mal.

- É aqui que ele viveu seus últimos dias.

- Venha, vamos pegar todas essas tralhas, e dar para algum asilo. De Tiago não quero mais nada.  Agora ele está com aquela desgraçada. Que saber os dois se merece.

Estefani ao dobrar o cobertor, viu uma etiqueta discreta bordada ao lado interior do coberto com o nome de Tainá. Levou a mão a boca surpresa. Poderia ser coincidência ou coisa do destino. Do amor, da energia do amor como acreditava. Sentindo uma estranha energia, que  a fez pensar que aquele segredo deveria permanecer longe de Isabel.

Dobrou o cobertor, e por amizade a amiga e respeito aquele amor, não disse nada. Isabel em seu ódio e inveja pelo amor de Tiago e Tainá, deveria esquece-los e começar vida nova. Certamente os dois viviam felizes, foram felizes  mesmo distante sem nunca negar o amor um do outro, no sonho de um pelo outro.... no carinho que reconheceu um  do outro..

A energia que somos.


Deixe um comentário. 

 


quinta-feira, 13 de maio de 2021

Má vontade

 

Má vontade

Não nos comuniquemos com as obras infrutuosas das trevas . – Paulo (Efésios, 5:11.)

 

Má vontade gera sombra

A sombra favorece a estagnação

A estagnação conserva o mal

O mal entroniza a ociosidade

A ociosidade cria a discórdia

A discórdia desperta o orgulho

O orgulho acorda a vaidade

A vaidade atiça a paixão inferior.

A paixão inferior provoca a indisciplina.

A indisciplina mantem a dureza do coração

A dureza do coração impões cegueira espiritual.

A cegueira espiritual conduz ao abismo.

Entregue as obras infrutuosas da incompreensão, pela simples má vontade pode o homem rolar indefinidamente ao precipício das trevas.

 

Cap, 67 pag 151 – Chico Xavier, livro Pão Nosso


#Detremura #Twitter #Espiritismo # France #Biden #Globo # SBT #Cultura #JC

quarta-feira, 21 de abril de 2021

O último BBB


O último BBB

 Botei a última camisa no cabide e olhei  para ver se precisava arruma mais alguma coisa depois da mudança. Satisfeito com a mudança e cansado fui para o banho . Ah, relaxado peguei a carne moída com tomate que minha mãe fez e me mandou, cortei um pão francês no meio e enchei com a carne moída. Joguei um queijo ralado junto, e me fartei.  Ia dormir quando a campainha tocou.  Típico não! As vezes tenho certeza que o mundo conspira justamente para atrapalhar meu sono. – Pensei enfurecido.

Fui lá e abri a porta...

O meu mundo mudou.

Algo antigo em mim e ao mesmo tempo tão novo, tão recém nascido de tudo o que não conhecia em mim abriu a porta e entrou na minha vida.

Ela me olhou com desespero, mas eu não enxerguei o desespero. Enxerguei um coisa nova em minha vida, tanto prazer assustador e o bem estar incomum que nunca senti comigo mesmo.

- Oi! Tudo bem! Que saco viu! Justo hoje minha tv pifo! Desculpa te incomodar, mas você sabe arrumar cabo de antena. É o ultimo episodio do BBB e e não posso perder...

Eu sorri.. como um recém nascido maravilhado com o mundo e mesmo assim não sabendo o que era tudo aquilo que eu via.

- Moro aqui ao lado, você pode pode me ajudar?

- Vamos lá! – eu disse apenas, mas queria dizer tanta coisa para mim principalmente, me explicar o que sentia e não sentia isso antes e porque e porque...

- Ah, legal! – Ela disse e foi na frente. E ao ver seu cabelo longo por trás e seu jeito de andar, me lembrei que três dias antes quando comecei a me mudar para aquele apartamento eu a vi entrando no elevador com aquela mesma costas e cabelo.. Nada me era mais estranho naquele momento.

Entrei em seu apartamento e mexi no cabo da tv, ela se sentou no sofá e ruía as unhas.

- Ruim, viu! Justo hoje! Essas cosias só acontecem comigo.

- Você gosta tanta assim do BBB?

- Não perco um, uma temporada.

Ela nem ligou pra mais nada de mim, nem perguntou se eu gostava ou não do BBB , ela só queria saber de eu arrumar a tv e ela poder voltar a assistir o BBB. Tudo bem não me importei.

Arrumei o cabo que estava solto, e regulei o receptor. Quando a imagem voltou ela deu três pulo de alegria no sofá.

- Cara! Que da hora!

Eu sorri, fiquei feliz por ela esta feliz e não sabia o porque. Ela sem perder tempo de seu jeito disse . “Senta ai”

Me convidou de seu jeito para assistir o BBB e eu que nunca perdi meu tempo para assistir BBB assisti o primeiro de BBB na minha vida.

Ela trouxe cerveja e linguicinha que fritou nos intervalos enquanto me atualizava dos participantes e dos eliminados do BBB. E por fim no  final na eliminação ela torceu para seu participante favorito que ganhou, eliminando os que ela mais odiava.

Ela feliz me agradeceu e eu fui para o meu apartamento, não consegui dormir aquele dia nem nos próximos . Ela era viva em meus pensamentos, não era insônia era o prazer de ficar pensando nela o tempo todo.

Alguns dias nos encontramos na faculdade, e nos encontramos varias vezes, nos encontramos no elevador, no ponto de ônibus e sempre falávamos coisas que gostávamos.

Um dia aconteceu o primeiro beijo, depois o segundo e começamos a namorar.

Ela veio conhecer o meu apartamento, e o que ela mais gostou foi da tv de 50 polegadas.

- Nossa no próximo BBB vai ser massa assistir aqui.

Eu sorri feliz, dando adeus aos meus filmes e futebol quando o próximo BBB começar.

- Essa tv é toda sua.

Ela sorriu feliz, e me beijou  me olhando feliz, pegou na minha mão e me levou para o meu quarto apagando a luz e deixando apenas a luz da rua nos iluminar. No beijamos muito, nos entregamos no desejo de cada um, para mim  mais que o corpo dela era a novidade do sentimento que eu sentia por aquela alma. Algo que não sei dizer...

Foi intenso e bom. O sol entrou pela janela logo pela manhã, eu ainda não tinha comprado as persianas. O sol, revelou seu corpo nu, e seu olhar triste, olhando para mim.

- É eu não tenho um seio. Foi um câncer.

Eu olhei para o local sem o seio e para os seus olhos. A vi tão triste, distante da mulher otimista e preocupada com o BBB e tão feliz que... Olhei para ela e disse.

- Nem percebi, desde que tive foram seus olhos que me dominaram..

Ela sorriu, tomando a luz do sol irmã novamente.

- Venha se troca, vamos para meu apartamento, vou fazer um café e tenho um bolo de aipim que fiz que tá uma delicia.

Eu fui e nove messes depois nasceu Tainá, que eu distraio de suas sapequisses quando Ela está assistindo o BBB.                                            


Olá, se você gostou dessa história e quiser contribuir com qualquer quantia eu agradeço. E se não quiser contribuir, tudo bem, espero que tenha gostado. Obrigado.

Brasil

Minha conta
Banco Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1
Ulisses j. F. Sebrian



Hello, if you liked this story and want to contribute any amount I thank you. And if you don't want to contribute, that's fine, I hope you enjoyed it. Thank you.

Brazil
My account
Bank Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1
Ulisses j. F. Sebrian
NOME: ULISSES JOSE FERREIRA SEBRIAN
IBAN: BR4460746948030340005009464C1
SWIFT: BBDEBRSPSPO
BANCO BRADESCO S.A.


domingo, 30 de agosto de 2020

A ilusão de uma atração.


O vicio do sexo nos leva a uma dependência igual a drogas e o jogo.

Seus olhos atentos, sobre a proteção das lentes dos óculos, atento e cuidadosos persista em analisar o seu corpo. Lazaro num mundo intimo de seus desejos a via sensual e prazeroso em  satisfazer o pulso hormonal sem tréguas. Maria Helena, bonita, jovem, trazia o aroma encantador de sua feminilidade. Lazaro aos vinte anos, a via sensual a cada momento. Quando Marie Helena se sentava, quando sorria. Quando Maria Helena levava o garfo a boca. Sentia o desejo pro seu sorriso, seu olhar, quando ajeitava o cabelo. Era apenas desejo sensual, e que aos poucos bem alimentados todos os dias, se tornou atração.

Lazaro e Maria Helena, começara junta como estagiários na empresa. Os dois ocupava funções diferentes no mesmo departamento. Viam-se constantemente, se esbarravam, frequentavam as mesmas reuniões, almoçavam no mesmo refeitório. Maria Helena, sem nunca saber, era desejada em todas as sessões de sexo a sós de Lazaro, e também de seus pensamentos e olhares constantes. Uma obsessão. Lazaro era jovem, bonito, e outras mulheres o cobiçava. Ele até que se envolveu com algumas, não do trabalho. Mas foi um envolvimento passageiro. Sua obsessão era Maria Helena

Um ano, se passou desde que começaram como estagiários. Agora efetivados, e mais próximos, Maria Helena começou a reparar nos olhares de Lazaro, que ainda tentava manter discretos.  Maria Helena se interessou. E por se interessar foi se aproximando. Sorria mais intensamente para Lazaro, conversou mais tempo com ele. Maria Helena percebia uma afeição por Lazaro, e Lazaro ainda sentia forte uma atração por Maria Helena.

Um dia os dois se conversaram mais tempo. Ele ofereceu carona a Maria Helena, ela trouxe bolo que sua mãe fez. Se encontraram numa dessas caronas, num beijo mais intenso. Lazaro que alimentou por meses a sua atracão por Maria Helena, finalmente a teve como sempre a alimentou em seus desejos a sua atração por Maria Helena. De beijo a beijo mais intensos e demorados, passaram um noite no motel apos a carona que Lazaro ofereceu.

Lazaro respirou fundo na primeira noite. Foi como esperava e apenas como esperava, emocionado em sua busca pelo prazer, ao desejo de Maria Helena mantiveram um relacionamento por alguns meses. Gostava de fazer sexo com Maria Helena. E esse gostar de fazer sexos com o tempo  já não tinha mais encanto. Começou a não gostar do carinho de Maria Helena, nem de sua atenção a ele, e compreensão que sempre lhe dava. Esses sentimentos de carinho de cuidados, de compreensão não era o que queria. Não queria um envolvimento sentimental. O seu desejo era sexo, apenas sexo. Aflorou nesse sentimento dominante e seis meses depois, ao receber uma oferta de emprego melhor, partiu sem nunca mais falar com Maria Helena. Lazaro foi para outro estado.

Maria Helena chorou por um tempo, continuou sentindo solidão na empresa sem Lazaro. E logo decidiu que era fim mesmo e nunca mais ligou para ele. Decidiu sua vida, e  o esqueceu.

Lazaro numa nova empresa, vida nova, agora procurou outras mulheres, apenas para o prazer. Procurou de seu jeito. Observando-a por meses, alimento desejos e fantasias, em peculiaridades que ia desde o jeito de arrumar o cabelo, o jeito de tomar água, o  jeito de sorrir.  Lazaro, teve muitas mulheres assim, quase todas no emprego em que podia observar mais, ou na faculdade e os cursos que fazia.

Aos trinta e dois anos já era gerente do departamento da terceira empresa que passou. Arrumou mais amantes de seu prazer de caçar mulheres com seu olhar. Nunca namorou nem se casou. Mudou de cidades varias vezes assim como de empresas.  Sempre usando as mulheres apenas para os seus prazeres sexuais.

Nunca prometeu casamento ou força alguma ao sexo. Era prazeroso conquistar do seu jeito cada mulher que teve. Era prazeroso fazer sexo sempre, aliviava a tensão. Quando não encontrava as mulheres certa, se masturbava, e o sexo diário pela internet se tornou rotina. Não tinha vícios outros. E quando saia pra se divertir, sempre pensa em arrumar uma para o sexo, fazer um sexo ter sexo depois da balada, das festas que frequentava,  sexo rápido e descartável da vida do dia a dia.

Aos quarenta e cinco anos do primeiro tempo de sua vida, entrou para uma empresa próxima a sua cidade natal. E resolveu matar saudades da sua cidade. Visitou sua mãe e seus familiares depois de anos, e vários natais distante. E para manter o seu desejo por sexo, resolveu  ir num bar que sempre frequentava próximo a uma lagoa quando morou na cidade. Era um bar muito bem frequentado e  naquele dia havia uma festa de aniversário animada num salão próprio para isso, que o bar oferecia. Lazaro sentado a mesa do bar, com alguns velhos amigos, observou ao longe no salão de aniversário uma mulher muito interessante, sensual como gostava de imaginar. Era jovem, bonita e sorridente. Por um tempo ficou olhando para ela. Era jovem feliz que a seu lado parecia ser sua mãe, que sempre lhe abraçava. Lazaro não reparou na mãe, mas a mãe o reconheceu e fechou o rosto. Saiu de perto da família e entrou no salão,  saiu minutos depois furiosa e Lazaro  reconheceu Maria Helena se aproximar.

Lazaro sentiu-se desconfortável e  sentiu a ferocidade no olhar de Maria Helena. Ela furiosa e bem vestida vindo da festa o encarou com discreta vontade de esmurra-lo.

- Você não tem jeito mesmo! Não mudou nada! Há meia hora estou vendo você olhando com os desejos nojentos para a minha filha.

Lazaro pego de surpresa se desculpo.

Maria Helena respirou fundo.

- Há quanto tempo está na cidade!

- Eu estou morando na cidade ao lado, vim aqui rever os amigos.

- Então, venha conversar comigo na minha sala, na empresa que você trabalhou comigo se lembra. Ah, não da para se livrar do destino!

- Hoje!

- Sim, num sábado aquela empresa também funciona. Acho que Lá é o melhor lugar.

- Mas...

- Venha e acho que importante para você. Ou vou mandar meu marido acabar com você.

Lazaro a seguiu. Minutos antes Maria Helena havia conversado com Mario o seu marido que ficou cuidando da festa dos filhos.

Lazaro entrou na sala e parabenizou Maria Helena por ter se tornado diretora da empresa.

- Me esforcei para isso. Olha senta que o assunto é serio. Você se casou? Você tem filhos?

- Não.

- Eu imaginava.

- Minha vida...

- Sua vida não me interessa. – Maria Helena respirou fundo. – Sabe aquela moça linda que você estava azarando com o olhar desejando como se fosse um premio sexual.

- Sei é sua filha eu peço desculpa..

- Ela é nossa filha.

Lazaro sentiu o silencio esmagar seus sentidos.

- Lazaro você me abandou gravida. E quando você foi embora sem se despedir feito homem, eu sabia que teria que cria-los sozinha. Minha mãe e meus pais ajudaram.

- Cria-los.

- São trigêmeos. Dois meninos e uma menina.

- São meus!

- Os meninos são sua cara, mas eu eduquei para que não tenha o seu caráter. Tenho teste de DNA provando.  Consegui o DNA  na casa de sua mãe, ela se mostrou uma pessoa boa. Ela sempre fala que os meninos são sua cara, eu nunca quis dizer a ela, para que não dissesse a você. Mas agora, o destino mudou tudo. O Mario criou bem os três, aceitaram eles como pai, e nos tivemos mais dois filhos juntos. Somos uma família feliz. Mas não posso negar a verdade aos meus filhos agora que você está próximo. Eu também magoado que estava escondi a verdade de sua família e de você. Só lhe peço uma coisa. Corre atras das mulheres que você certamente usou, e vê se não tem mais filhos. Arruma a sua vida, cara. E então apareça como homem para eu apresentar você aos nossos filhos.

A verdade dos filhos lhe deu um rastro de vida, uma vida que nunca imaginou ter, nunca a viu em sua vida. Aos quarenta e cinco anos Lazaro então se descobriu escravo do sexo, um viciado em apenas ter prazer no sexo. Assim como a bebida, o álcool o jogo, o vicio do sexo, o roubou 45 anos de prazer de viver.



Olá, se você gostou dessa história e quiser contribuir com qualquer quantia eu agradeço. E se não quiser contribuir, tudo bem, espero que tenha gostado. Obrigado.
Brasil

Minha conta
Banco Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1
Ulisses j. F. Sebrian



Hello, if you liked this story and want to contribute any amount I thank you. And if you don't want to contribute, that's fine, I hope you enjoyed it. Thank you.

Brazil
My account
Bank Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1
Ulisses j. F. Sebrian
NOME: ULISSES JOSE FERREIRA SEBRIAN
IBAN: BR4460746948030340005009464C1
SWIFT: BBDEBRSPSPO
BANCO BRADESCO S.A.

domingo, 26 de julho de 2020

رياح سرية



رياح سرية
الرياح هي رسل من رائحة.
أنها تجلب إلى كونها رائحة كائن آخر، وفقط إلى ما هو في البحث عن أن يجري.
تهب الرياح، وتخبرك كم ينتظرك الآخر ومن المتوقع أن يكون لأنك تعرف كم تناسبها في حياتك وحياته في حياتك.
الرياح تتصرف سرا، انها ليست كل رائحة التي تأتي لتكون.
فقط رائحة الشخص الذي يرغب ويريد الآخر أن يكون.
الرياح هي يد صغيرة للآلهة للحب...
نفس صغير وحنون
أن أقول أن هناك إمكانية للحب هناك، في مكان ما في هذه المدينة، في هذا العالم، في داخلك.
ولأنه سرّ
فقط إلى المتلقي الحق في رائحة الحق سوف يؤلف نفس الشعور بين كائنين الذين يتمتعون نفس الرياح.


مرحبا، إذا كنت تحب هذه القصة وتريد أن تسهم بأي مبلغ أشكر لكم. وإذا كنت لا تريد أن تساهم، لا بأس، آمل أن تكون قد استمتعت بها. شكرًا لك.
البرازيل، البرازيل
حسابي
Bank Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1

NOME: ULISSES JOSE FERREIRA SEBRIAN
IBAN: BR4460746948030340005009464C1
SWIFT: BBDEBRSPSPO
BANCO BRADESCO S.A.

sábado, 11 de julho de 2020

Encontro do destino

Um encontro que não se pode explicar. O destino sempre nos surpreendendo. 

Elenn entrou em minha vida numa sexta feira e não era treze. Dia 21 de setembro. Era um período de mudanças não somente nas estações do ano, mas em minha vida também.

Eu havia acabado de me separar. E estava procurando um apartamento para alugar. Elem é corretora, mas não somente isso. Elenn sabe das coisas, tem um ar aguçado para tudo e vê além do que simplesmente estamos acostumados a ver.

Então nos encontramos para ela me mostrar um apartamento. Até então somente havíamos se comunicado por telefone. E ao chegar ao local ela sorriu amigavelmente. Cumprimentamos-nos e falamos alguma coisa do tempo.
- Aceita tomar um café antes de ver o apartamento!
Ela me disse sorrindo.

Eu aceitei claro. Elenn tinha um sorriso irresistível e um olhar que parecia penetrar em sua alma. Mas não algo que incomodasse, era algo amigo em que estranhamente se pode confiar. Entramos numa padaria ali próxima e pedimos um café. Elenn então me olhou com seu sorriso.
-  Senhor Rafael. Precisa mesmo de um apartamento?
Eu estranhei a pergunta. Como assim, precisa mesmo de um apartamento? Claro que preciso! 
-Eu sei que a pergunta é estranha, mas  há outras opções.
Como boa corretora ela queria me vendar algo mais lucrativo para ela. Matei a charada.
- Sim preciso de um apartamento.  É que me separei e preciso de algo cômodo, pratico e  seguro.
- Eu entendo que está só agora.  Mas nunca se sabe o dia de amanha. O senhor pode achar alguém e uma casa seria melhor. Não estou lhe oferecendo para comprar uma casa. Mas para apenas alugar um apartamento provisoriamente. Esse apartamento que estou vendendo não seria adequado para o senhor nesse momento. Caso o senhor encontre alguém terá que vendê-lo porque mal comporta um casal.
- Me desculpe senhora Elenn, mas eu não estou casado e se...
- Nunca sabemos do futuro.  Às vezes o amor pode surgir assim do nada, num minuto para o outro, num olhar...
- Eu entendo, mas....
- Pense. O senhor pode encontrar alguém com um filho e....
- Não, não pode ser... Veja bem eu quero ver esse apartamento pode ser. – 

Eu confesso que fiquei irritado com Elenn, e não entendi direito aquela sua insistência para eu não comprar o apartamento. Não iria mesmo, apenas queria ver o apartamento.

Elenn sorriu e me deu o seu cartão.
- Esse é outro telefone onde eu posso te ajudar. Mas já que insisti em comprar esse apartamento. Vamos lá.

Eu estava achando aquela situação muito estranha, e começou a me preocupar. E estranhamento quando chegamos a portaria do edifício, Elenn desapareceu misteriosamente e  enquanto eu a procurava o porteiro veio em minha direção.
- O senhor é o senhor Rafael?
- Sim!
-A senhora Elenn da corretora Maestro está te esperando no saguão.
Elenn? Eu então olhei para o cartão que Elenn havia me dado na padaria. Era um cartão verde escuro com um estranho símbolo feminino e que se dizia. “Apreenda a ver os sinais sutis da vida que lhe promove o destino” - Elenn –visão extrassensorial.

Eu confuso entrei no saguão e a nova Helem veio em minha direção com um sorriso cativante, um olhar meigo e um ar de bondade que mesmo na confusão que eu estava me sentindo perdido, pude apreciar e desejar. Aquela Helem me pareceu tão intima tão conhecida minha.
- Sou Helem da corretora. 
- Esta muito tempo aqui?
- Uma hora mais ou mesmo. Mas não se importe com isso. Eu sei como é complicado o trânsito de São Paulo.
Então eu sorri aliviado.
- Você quer tomar um café comigo!
- Claro! Ela disse sorrindo.
-  Acho que vou querer comprar uma casa.
- Ótimo eu tenho uma que se eu tivesse dinheiro e compraria.
- É mesmo.
- Sim principalmente pelo imenso quintal em que meus dois filhos podem brincar.
- Você é casada?
- Separada?
- Eu também!
Helem então sorriu contente. E botei o cartão da primeira Elenn no bolso e passei o resto do dia com a Helem da minha vida.

Foi amor à primeira vista como Elenn havia me dito sugerindo. Comprei a casa, me casei com Helem assumiu os seus dois filhos. E um dia eu liguei para Elenn para marcar uma consulta.

E estranhamente o número que ela me deu era do Peru, onde Elenn morava e ela  me atendeu com voz de confiança de quem cumprira uma missão. 

Olá, se você gostou dessa história e quiser contribuir com qualquer quantia eu agradeço. E se não quiser contribuir, tudo bem, espero que tenha gostado. Obrigado.

Brasil
Minha conta
Banco Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1
Ulisses j. F. Sebrian

Hello, if you liked this story and want to contribute any amount I thank you. And if you don't want to contribute, that's fine, I hope you enjoyed it. Thank you.
Brazil

My account
Bank Bradesco.
Conta Corrente. - 500946 -4
Agencia - 3034-1
Ulisses j. F. Sebrian
NOME: ULISSES JOSE FERREIRA SEBRIAN
IBAN: BR4460746948030340005009464C1
SWIFT: BBDEBRSPSPO
BANCO BRADESCO S.A.

Amar.

  Amar.   - Meus parabéns. – Ele disse num sorriso sincero, segurando milhões de tonelada de um sentimento que lhe pertencia. - Ah, ob...

os mais lidos