segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Ouvir, sempre vai nos garantir sucesso tanto profissional como pessoal.


A sabedoria dos bons ouvidos.

Ouvir, sempre vai nos garantir sucesso tanto profissional como pessoal.

Um dia  desses eu parei  com o fim de ouvir  essa reflexão sobre ouvir o outro.
O fato se deu quando eu conversava com um amigo e ele me perguntou  qual seria a primeira coisa que eu faria se fosse dono da empresa .  Eu disse que faria uma serie de coisas. E esse meu amigo apenas me disse com toda a certeza que apenas ouviria os funcionários. Ouvira todos os funcionários sem exceção.
 
Eu fiquei surpreso. E na verdade pensando depois e refletindo ele tem razão.  Porque seja lá o cargo que você se ocupa estamos sempre em uma determinada pressão. Às vezes ficamos cegos, surdos e por isso mesmo passamos por cima de detalhes, interesses e pessoas a fim de atingir os nossos objetivos ou simplesmente cumprir uma planilha de lucros.  E assim inevitavelmente numa empresa ou em casa com a família, o desastre de um fracasso está sempre a espreita a nos pegar. Porque ignoramos o obvio. Quaisquer empresas assim como as famílias são feitas de pessoas.
 
E as pessoas em suas diferenças de experiências que trazem da vida, irão enxergar algo que não enxergamos saberam de algo que não sabemos, se chatearam com algo que ignoramos.  E assim em tudo que compõe o dia-a-dia de uma empresa ou o dia-a-dia de uma família.
E toda vez que dando ouvido a um funcionário ou a um filho, estamos na verdade dando a eles atenção e dizendo que ele é importante, porque ouvimos quem é importante para nós.  E sejam sinceros, dificilmente damos ouvidos a um estranho.
 
Por isso, se eu fosse dono de uma empresa ouviria os meus funcionários, dando a eles essa importância. Claro ouvir, não quer dizer que concordo com o que se ouve, e que não ira punir ninguém por dizer a sua opinião sobre esse ou aquele problema na empresa. Assim como a opinião de um filho  ou de um Conge, de um irmão, ou pai e mãe. O importante é ouvir, dar às pessoas a importância de ser ouvida e se sentirem importante, ouvidas, expressar os seus pensamentos. E assim criar a cultura de que todos têm a sua importância, o seu valor, exercendo por mim, por você, por todos que tiverem a sabedoria de ouvir o outro.
 
Quantas discussões na família podem ser evitadas. Quantos problemas na empresa podem ser superados. Ouvir, ouvir...

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A sua a minha a nossa inveja de cada dia


Inveja Ter ou Provocar?

Semana passada um amigo que ganhou uma promoção, conquista e mérito, aproximou-se de mim e sorrindo comentou o fato.
Eu fiquei feliz por ele, mas realmente não estava me interessando tanto assim. Eu tinha naquele momento o meu pensamento voltado para outra ideia. Mas não o desprezei,  sorri cumprimentando.

Ele me olhou com certa amargura.
- O que foi! Parece que você não gostou?
- Gostei sim, mas é que estou com outros pensamentos. Sabe como é?
- Eu sei como é! Tem gente que não fica feliz, sente inveja.
- Inveja! Claro que não!
- Não o que! Todos aqui estão com inveja por essa minha promoção!
Então um pensamento me veio.
- Ei cara porque você ficou feliz com essa inveja que diz que todos têm de você?
- Porque é verdade!
- Que verdade! Porque você precisa que outros tenham inveja de você!
Ele se desconcertou.
- Eu sei como é!
- Cara!  Acho que além de você apenas mais um queria esse cargo. Eu nunca quis esse cargo.
E por isso não to com inveja.
- Mas eu fui promovido! Não importa o cargo!
- Não importa o cargo, importa ser promovido pra causar inveja! É isso! E porque causar inveja!
Ele se silenciou, me olhou mais profundamente e se foi.

Não o recriminei, porque a gente é assim mesmo, de vez em quando precisamos que o outro sinta inveja de nós. Talvez quando estamos carentes por alguma coisa que deu errado, ou um  outro qualquer que nos magoa, ou então frustrados por não ter conseguido algo, alguém... E assim com a estima em baixa ou inseguros em começar uma nova etapa em nossa vida. Ai quando sabemos que alguém está com inveja, exibimos mais ainda para sentir que podemos tocar a atenção de alguém.
Alguém vai dizer que isso não passa de uma tolice, de uma futilidade. Mas seja sincero e olhe para algum momento de  sua vida e me diga se não passou por isso.

A inveja é um ódio vindo da frustração e frustração se cura com realização. E realizar os seus desejos, os talentos, os seus dons, ocupa os espaços vazios, o tempo e mesmo que não seja 100% do que você estava esperando, sempre nos arma de satisfação e prazer. E consequência automática, nós deixamos de lado a necessidade de ter inveja ou desesperadamente provocar inveja.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Eu, Os Amish e a solidão.


Assim como os Amish eu tive que encarar uma solidão.


Assistindo uma reportagem no Nacional Geográfico sobre os Amish, me lembrei do que é a solidão. Os Amish são um grupo ou comunidades que vivem em certas áreas dos Estados Unidos mantendo a doutrina  no trabalho duro e árduo e tradições alemãs de séculos passados e religião dura. Sempre em trabalho rurais, e dispensa toda forma de tecnologia, de uma lâmpada a um celular.  Ainda usam carroças e roupas típicas.
 
Claro que o mundo moderno está   engolindo-os e se aproximando cada vez mais de suas comunidades e por isso muitos jovens  desertam e vão para cidade começar vida nova. A família os repudiam, dizendo que estão possuídos por satã.
Mas como todo jovem ainda não sabe de sua coragem e muitos  não dão ouvidos e fogem em busca das luzes da cidade. E fugir da família da tradição Amish  trás grandes consequências.
 
As suas famílias que ficam na fazenda nas comunidades para trazerem os filhos desertores  rompem com os que desertaram  e  enquanto estiverem na civilização, nas cidades, não os recebem em suas casas e nem mesmo falam com eles.  E como todo jovem que foi criado com carinho dos pais e os laços de família, começam a sentir solidão. Aquela maldita solidão. Muitos desses jovens desertores  voltam arrependidos, sofrendo da solidão de um mundo que não foram criados e portanto pouco lhes pertence. A saudade arrebenta com qualquer um. Enquanto  outros  jovens desertores continuam o caminho em busca de uma vida diferente da que levaram até então.
A solidão sempre é cruel e sufocante.  E sempre nos leva a fazer coisas que não faríamos se não estive metido nela.
 
Digo por experiência própria. Porque quando vim pra cidade grande, sentindo a ausência da família dos amigos onde fui criado. Comecei a me envolver com pessoas que não tinha nada a ver comigo;  gostavam de coisas que eu não. Algumas pessoas  não carregavam  nem mesmo valores que os meus . Então comecei a ouvir musica que não gosto, comer o que não gosto, gostar de quem não tinha nada a ver comigo, porque eu não conseguia ficar longe deles. Medo da solidão, sentir a solidão. Ainda mais nas noites frias, e chuvosas.  Havia momentos que não sabia mais quem eu  era. O eu, o meu eu havia sido engolido por aqueles amigos, que fiz por causa da solidão.
 
Claro que isso foi uma experiência que me enriqueceu muito. Porque sempre pensamos que o mundo pensa igual a nós, vê as coisas das mesmas cores que nós. E quando depararmos com o outro, totalmente diferente é um choque.  Mas também é algo que   pode fortalecer os seus valores e acrescentar outros, principalmente a consciência de que o mundo é plural e diverso.
 
Até que lentamente eu fui descobrindo outras pessoas, outros caminhos, me vendo novamente. Eu era muito jovem, e sem experiência em solidão  quando "ela" me pegou e me pegou de jeito mesmo.  E como os jovens Amish,  eu também e  muitas vezes quis voltar pra casa, por colo da mamãe.
 
E essa experiência me ajudou a madurecer mais rapidamente e com os anos só foi me lembrar da solidão quando vi essa matéria no canal de TV. Hoje sou mais dono de mim e mesmo não acertando em todas as minhas escolhas não as faço baseada na solidão, mas às vezes a faço no medo. Estou apreendo outra vez e a vida é assim, sempre uma experiência atrás de outra experiência.