terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Harold Bloom o cânone da cultura


Harold Bloom

Quem foi?
Harold Bloom (Nova Iorque, 11 de julho de 1930) é um professor e crítico literário norte americano.  Ocupa o cargo de "Sterling Professor" de Humanidades na Universidade de Yale.[1] Desde a publicação de seu primeiro livro em 1959, Bloom escreveu mais de quarenta livros,[2] incluindo vinte livros de crítica literária, vários livros discutindo religião e um romance. Ele editou centenas de antologias sobre numerosas figuras literárias e filosóficas para a editora Chelsea House.

“Harold Bloon”  utilizou como base na estrutura do livro a divisão dos autores em dez conjuntos regidos cada um por um Sefirah da Cabala. Cada uma destas partes é ainda dividida em dois Lustros que representam o brilho decorrente da luz refletida, o lustre, o esplendor de um gênio refletido em outro, uma vez justapostos. Segue abaixo a relação completa dos autores classificação (confusa) proposta por Bloom:
1     
       1.    - Keter, ou coroa, na Cabala, os autores selecionados nesta classe dominaram os respectivos gêneros literários: Teatro, romance, ensaio, épico e conto:
Escritores como:
Willian Shakespeare; Miguel de Cervantes; Michel de Montaigne; John Milton; Leon Tolstoi; Tito Lucrécio; Virgílio; Santo Agostinho; Dante Alighieri; Geoffrey Chaucer.
2        
      2.    - Hokmah, sabedoria divina. Jesus é a figura central oculta desta classe, mas foi excluído divido a “sabia advertências de meus editores.” Segundo Bloom.
O Javista;  Sócrates e Platão; São Paulo; Maomé; Samuel Johnson e James Boswell; Johan Wolfgang Von Goethe; Sigmund Freud; Thomas Mann.
    
   3 – Binah, inteligência realizada em sabedoria, ou primas que ilumina o que pode ser apreendido:
Friedrich Nietzsche; Kierkegaard; Franz Kafka; Marcel Proust; Samuel Beckett; Moliére; Henrik Ibsen; Anton Tchekhov; Oscar Wilde; Luigi Pirandello;
     
  4 – Hesed; aliança do amor de Deus pelos homens e mulheres, manifesta-se ou através da ironia ou da perda do amor;
John Donne; Alexandre Pope; Jonathan Swift; Jane Austen; Lady Murasaki; Nathaniel Hawthorne; Herman Melville; Charlotte Bronte e Emily Jane Bronte; Virginia Wolf;
 
     5 – Din;  serve de fronteira, ou horizonte, que delimita a aliança de amor de Hesed;
Ralph Waldo Emerson; Emily Dickinson; Roberto Frost; Wallace Stevens; T.S Eliot; Willian Wordsworth; Shelley; John Keats; Giacomo Leopardi; Lorde Alfred Tennyson.
    
  6 – Tiferet, Misericórdia de Deus manifesta como “beleza” de Deus, meditação frequentemente expressa como shekkinah, a presença de Deus como bela forma feminina:
Swinburne; Dante Gabriel Rossetti; Christina Rossetti; Walter Pater; Hugo von Holfmannsthal; Victor Hugo; Gérard de Nerval; Charles Baudelaire; Arthur Rimbaud; Paul Valéry.
  
    7 – Nezah, vitória  de Deus, exemplos do gênio épico e variações deste;
Homero; Luiz Vaz de Camões; James Joyce; Alejo Carpentier; Octavio Paz; Stendhal; Mark Twain; Willian Faulkner; Ernest Hemingway; Flannery O’Connor;

 8 -  Hod, “majestade feminina” de Deus, é feminino tão-somente em relação aos atributos masculinos mais severos da Divindade:

Walt Whitman; Fernando Pessoa; Hart Crane; Federico Garcia Lorca; Luis Cernuda; George Eliot; Willa Cather; Edith Wharton; F. Scott Fitzgerald; Iris Murdoch;

9 – Yesod;  traduzido livremente como “fundação” encerra dois significados afins: o impulse sexual masculino e o mistério do equilíbrio entre o feminino e masculino, nos processos naturais.
Gustave Flaubert; Eça de Queirós; Machado de Assis; Jorge Luís Borges; Ítalo Calvino; Willian Blake; D. H Lawrence; Tennessee Willians; Rainer Maria Rilke; Eugenio Montale.


    10 – Malkhut,  o “reino”, é a presença de Deus no mundo, exibida na glória radiante de Shekkinah.  a “descida” do Divino na condição de mulher.

Honoré de Balzac; Lewis Carroll; Henry Janes; Roberto Browning; William Buttler Yeats; Charles Dickens; Fiodor Dostoiévski; Isaac Babel; Paul Celan; Ralph Ellison.


Os vários tipos de gênio.

. Os desbravadores:
São os gênios maiores segundo Bloom, aqueles cujas obras inesgotáveis e domina certos gêneros literários. São nomes como Shakespeare (“o inventor do humano”), Cervantes (“o primeiro romancistas”) ou Dante (“poeta supremo”)

. Os sábios.

Aqui estão englobados autores que buscaram a sabedoria espiritual ou secular, como o filosofo Platão, São Paulo e o pai da psicanálise, Sigmund Freud.

. Os irônicos.

Dois tipos de escritor aparecem aqui: os que exploram a ironias do amor, como o poeta inglês John Donne,  e os que exploram as agonias do amor (terreno ou divino), como o americano Herman Melville.

. Os rigorosos

Românticos com o inglês Wordsworth, além d cinco poetas americanos, em os quais Emily Dickinson e T. S Eliot, são dotados de um “supremo rigor imaginativo”, segundo Bloom.

.Os argutos
Autores dotados de uma grande “agilidade mental” como o filosofo Nietzsche, o romancista Marcel Proust e o dramaturgo Molière compõem esse time.

.Os amantes da beleza.
Pertencem a essa seção um pensador de estética como o inglês Walter Pater, além dos poetas franceses como Arthur Rimbaud e Paul Valéry.

. Os incansáveis
São aqueles que compuseram obras de grandeza épica, como Camões ou James Joyce, e aqueles que souberam agarrar-se a uma  visão poética ou estilística, como William Faulkner e Ernest Hemingway.

.Os incansáveis
Misturam-se aqui escritores de grande originalidade imaginativa, mestres de narrativas eróticos e figuras centrais para a literatura de certos países. O brasileiro Machado de Assis aparece aqui, ao lado do argentino Jorge Luís Borges e do poeta inglês William Blake.

.Os visionários.
Constam desse grupo poetas como ao americano Walt Whitman e o português Fernando Pessoa, que de certa forma manifestam a voz de seu povo, assim como romancistas de “grande esplendor moral”, como inglês George Eliot.
 
. Os muralistas
Seriam os criadores de grandes “comédias humanas”, como o francês Honoré de Balzac, o russo Fiodor Dostoievski ou o  inglês Charles.


segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Criatividade

A Criatividade

Nunca se faz tarde ler. E ler principalmente o que nos alimenta do que precisamos. E nos alimenta de alimentos que nem mesmo sabíamos que existia. Nosso pensamento, o pensamento humano não pode ficar parado é sua natureza ir atrás, correr e descobrir e satisfazer plenamente.

Precisamos ler ir atrás, descobrir.

Nesse momento em que o Brasil, está mergulhado numa crise politica sem precedentes, a leitura acende luzes nesse caminho em que a escuridão da razão, do bom senso e da ética se fez.
No livro Criatividade e Grupos Criativos  Descoberta e Invenção se torna uma leitura edificante, para nós Brasileiros, e principalmente para aqueles que são contra, não entende e condenam à cultura, a indústria, a importância da liberdade de pensamento e a liberdade de opiniões contrárias.

O homem evoluiu fazendo arte, fazendo e cultuando a cultura. Como deixa claro em exemplos e provas cabais  Domenico de Masi.

Indico essa leitura.

Segue abaixo “Texto tirado da orelha do livro, Criatividade.”

Criatividade e Grupos criativos do sociólogo Domenico  De Masi  no primeiro volume Descobertas e Invenções, o autor mostra como o homem, dede sempre, se valeu da criatividade para derrotar seus inimigos atávicos: a fome, o cansaço, a ignorância, o medo, a feiura, a solidão, a dor e a morte.

Usando a criatividade como fio condutor, de Mais analisa os esforços do homem para corrigir a natureza com a cultura – seja domesticando o cão, inventando a escrita, o purgatório, cirando o Estado, a linha de montagem, as catedrais, o cinema, o teatro, a arquitetura ou o jazz.

O homem começou aprimorando técnicas de sobrevivência contra as ameaças da natureza e dos seus competidores. Prosseguiu elaborando sistemas culturais mais sofisticados e abstratos, como o objetivo de compensar as suas frustrações, as suas dores e as suas inseguranças com ilusões, com prazeres estéticos e com a acumulação de bens matérias.

E agora talvez tenha chegado à  compreensão de que a acumulação  insensata de dinheiro  e poder e de objetos permanece sendo incapaz de satisfazer as suas necessidades de introspecção, de amizade, de amor, de lucidez e de lazer para as quais necessita cultivar, de forma criativa. Valores que haviam sido negligenciados, como a ética, a estética, a emotividade, a subjetividade e a qualidade de vida.

O sociólogo se debruça principalmente sobre o universo dos grupos criativos, mostrando que a maior parte das criações humanas é obra não de gênios individuais, mas de grupos e de coletividades.
Ao longo desse volume, ele apresenta diversos grupos criativos e analisa sua estrutura e suas características inovadoras: a Estação Zoológica de Nápoles, o circulo Matemático de Palermo, a Wiener Werkstätte, o Círculo Filosófico de Viena, o Círculo de Bloomsbury, o grupo do físico Enrico Fermi, a Bauhaus, o Projeto  Manhattan, o Projeto Genoma e muitos outros.

Segundo o autor, hoje, mais do que nunca, as descobertas cientificas e as obras primas artísticas são resultados do aporte coletivo e temas de trabalhadores, troupes, teams, squadre e equipes.

Decorrem das progressivas aproximações coletivas, da experiência milenar de clãs e tribos, da imaginação de um povo, do espírito de uma época. Não são mais do que etapas de um processo sem pontos de partida nem pontos de chegada, em que forças contraditórias como as linhas retas e linhas curvas, razão e intuição incessantemente se alternam e entrelaçam.

Domenico de Mais é catedrático de Sociologia  do Trabalho na Universidade La Sapienza, de Roma, e fundador da S3-Studium, escola de especialização em ciências da administração, que tem sede na Itália e no Brasil. Entre seus Livros publicados no Brasil destacam-se O Ócio Criativo (Editora Sextante”. A Emoção e a Regra e O Futuro do Trabalho (Editora José Olympio).
É também autor da revista NEXT – Instrumentos para a Inovação


Onde encontrar o livro:




domingo, 11 de fevereiro de 2018

A paciência, a compreensão e a felicidade

A vida nos pôs num jogo de sentimentos:

Paciência. Nunca foi fácil exercer esse exercício, Principalmente para com o outro. Sim porque a paciência existe por causa do outro. Assim como todos os nossos sentimentos. O amor, amar damos ao outro. Compreensão! Nós temos que ter com o outro.

Ódio! Nós também sempre temos pelo outro, raiva e inveja também sempre nós os sentimos pelo outro.

E o outro pode ser:

Nosso pai, mãe, irmão, marido e mulher. Amigo do trabalho e escola companheiros de igrejas. E o outro pode ser também: O tempo, as estradas ruins; os programas de tv que insistimos em assistir para criticar, odiar; Partidos  políticos; Redes sociais; Time de futebol.

Amamos. Mas ainda somos egoístas e achar que a quem amamos nós deve um amor também. O mesmo amor que lhe damos!  Amor se dá e não se cobra. Damos amor, porque amamos.  Mas eu exijo o mínimo de sentimento por mim! – Ai! Então nós  cobramos o nosso amor.  Amor que se cobra não é amor! É possessão! De posse mesmo!  Nossa isso que diz é um absurdo! Amor tem que te amor de quem amamos! Porque se...

Porque se não você vai descobrir que não é amor. E não sendo amor  não é fácil aceitar a felicidade da pessoa amada que não nos ama, amando outra pessoa. Sim, é preciso muito amor, muita paciência.

Sim a paciência.

E a paciência é praticada no dia a dia. No trabalho, no lar, na escola, no trânsito. No transito é preciso muita paciência.

Mas como ser  paciente nesse mundo. Com o meu filho me tirando do sério! Com minha esposa gastando mais do que eu ganho! Com o governo corrupto cobrando mais impostos! Com meu colega de trabalha me perturbando! Como ter paciência?

São nesses lugares, com essas pessoas que precisamos praticar a paciência. Não no cemitério nem em um templo budista. A paciência é praticada no dia a dia, nos obstáculos e  picuinhas. Nos conflitos e desmazelos do dia a dia que vivemos com as pessoas que vivemos e interagimos.

Uma arma importante para a exercermos a paciência é a  compreensão:

A compreensão do outro, dos outros. Algumas pessoas tem um tempo diferente do seu. Um estágio de evolução mental, social e espiritual deferente do que você está. Assim como há pessoas mais evoluída mental, social e espiritual que você.

Junte compreensão e paciência, um pouquinho de perdão a si e ao outro e terá o amor. Além de dias tranquilos e mais fáceis de lidar com você e com o outro.

Achamos que qualidade de vida é tranquilidade, bons serviços, paz e sossego.

Sim.

Mas, tudo isso tem que ser conquistado com a paciência e compreensão de si e do outro. Do mundo. E com isso, podemos não ter a resposta do que seja a vida e por que. Mas certamente iremos viver o nosso tempo melhor.  


segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Copa de 1986 x Copa 2014


Driblando a Guerra (2014) Nome em inglês  Shooting For Socrates”  Gênero: Filme/Drama

Novembro de 1985 foi um dos mais intensos períodos de violência em Belfast, na Irlanda do Norte. Em meio a toda tensão entre protestantes, unionistas, e a minoria católica, nacionalistas, um grupo de jogadores de futebol tenta driblar os conflitos e a violência para poder se preparar para o maior jogo de suas vidas, contra o Brasil na Copa do Mundo do México de 1986.
                                                                       


A violência na Irlanda é retrata em som  de  bombas explodindo  entre os diálogos das personagens. Todos estão desconfortados com a violência religiosa. Mas logo percebemos a alegria quando sai a convocação da Irlanda.

A cena do sorteio da chave das equipes que vão jogar no México na primeira fase,  deixa clara a admiração que eles têm pela seleção brasileira.  Sócrates é endeusado por eles, além de ser considerado bonito. As crianças compram figurinhas com o rosto de Sócrates. O nome de Sócrates é relacionado como um revolucionário que derrubou a  covarde ditadura militar que naquele ano 1985 completava 21 anos.

O ator que interpreta Sócrates é mais bonito que Sócrates real, mas isso não tem importância. O filme nos diz do drama do povo Irlandês, muito parecido com o povo palestino e Curdo. E a tentativa do time formado por protestantes e católicos se unirem,  se entenderem, e  assim o país  poder competir e até ganhar a copa. Todos têm esperanças, mas a descrença e evidente em todas as personagens. Num esforço de quem quer vencer,  a seleção da Irlanda empata com Argélia, depois perde para a Espanha e por fim perdem para o Brasil  por 3x0.

Então ai nessa cena nós Brasileiros nos vemos neles Irlandês 28 anos depois em meio a uma crise politica em que divide o Brasil em pró - PT e contra PT. A favor da Dilma e contra a Dilma, e meio a corrupções reveladas que assustam todos.  Envolvendo o PT a principio depois todos  demais partidos, o Brasil que é sede da copa de 2014 perde por 7x0 para a Alemanha.

Os irlandeses choraram quando perderam para o Brasil. É de cortar o coração a ver a cena. O mesmo que nós choramos por perder para a Alemanha em casa.  Os irlandeses, com o tempo se uniram e a violência em seu país diminui. Nos Brasileiros ainda estamos acertando as contas com o maior escândalo de corrupção de todos os tempos. Descobrimos que todos os partidos estavam envolvidos na corrupção. A gente já sabia né. Mas as provas trouxeram as claras que mesmo o candidato oposicionista de Dilma. Aécio Neves está tão envolvido na corrupção quanto o seu partido e do presidente que sucedeu Dilma. Michel Temer.

No final do filme o letreiro diz que a Irlanda nunca mais participou de uma copa.

Mas ela vai tentando...

O mesmo que nós brasileiros, que nunca nos livramos dos corruptos, mas vamos tentando.


Elenco do Filme : Conleth Hill, John Hannah, Richard Dormer, Ciarán McMenamin, Paul Kennedy, Declan Rodgers

link de referencia 



sábado, 6 de janeiro de 2018

Imperdível!

E começando a comemorar o aniversário de São Paulo, 464 anos.


Japan House


Avenida Paulista, 52, 01310-100



A Japan House abriu suas portas dia 6 de maio na Avenida Paulista e vem para trazer mais da cultura japonesa para a cidade. Com a missão de atualizar a percepção dos brasileiros sobre o Japão contemporâneo, o novo centro cultural combina arte, tecnologia e negócios, oferecendo aos visitantes uma perfeita tradução do Japão do século 21, sem se esquecer de suas raízes e tradições.


                A Japan House está com a exposição do grande arquiteto Japonês Sou Fujimoto.

                                                 http://www.japanhouse.jp/saopaulo






                                            Exposição vai até o dia  4 de fevereiro de 2018.

                     








quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

O Poder benéfico do Guarana agora certificado pela pesquisas. 

A pequena cidade de Maués, no interior do Amazonas, tem sido cada vez mais conhecida no Brasil. Dois são os motivos que, aparentemente ligados, atestam a fama de Maués mundo a fora: o guaraná e a longevidade dos seus habitantes.
Os benefícios do guaraná para saúde são grandiosos é especialmente únicos. O Guaraná é uma planta da Amazônia, que é encontrado em partes da Venezuela e do Brasil.

O Guaraná contém guaranine, uma molécula que está intimamente relacionada com a cafeína, mas cujos efeitos são de 4 à 7 vezes mais forte do que a cafeína. Além disso, o guaraná também contém taninos( que dão a planta suas propriedades adstringentes), Vitamina A, Vitamina E, Vitamina B1, Vitamina B3 e Vitamina PP. e os minerais como Cálcio, Magnésio, Ferro, Potássio, Fósforo e pequenas quantidades de Selênio e Estrôncio.



Benefícios do Guaraná Para Perda de Peso: O Guaraná tem sido usado por séculos para fazer chás que ajudam a suprimir a fome para perda de peso. O Guaraná é usado hoje em certas bebidas energéticas e suplementos para perda de peso, proporcionando estímulos e combate à fome.





Benefícios do Guaraná Para Pele: O Guaraná é um diurético e provoca um aumento na frequência de micção e da eliminação de toxinas do corpo. Isto resulta numa pele mais saudável e menos problemas, tais como acne e erupções cutâneas.




Benefícios do Guaraná Para a circulação sanguínea: O pó de Guaraná pode auxiliar na melhor circulação sanguínea, menor formação de placas aterogênicas em vasos sanguíneos, permitindo maior fluxo e suprimento de oxigênio e nutrientes aos tecidos, incluindo a região genital.



Guaraná Melhorar a Saúde Mental: O pó de Guaraná pode auxiliar na capacidade de aprendizagem, ele também é conhecido por ajudar a melhorar o desempenho intelectual. Além disso, Este fruto tem propriedades benéficas e ajuda a melhorar a circulação sanguínea, promovendo assim uma melhor saúde mental.




Benefícios do Guaraná Para diabéticos: O Guaraná pode auxiliar no controle da glicemia pela presença da pectina, fibras que absorvem água e que possuem a capacidade de formar uma espécie de gel junto aos alimentos no estômago, retardando assim o esvaziamento gástrico. A digestão fica mais lenta e a glicose eleva-se de forma gradual no sangue. Isto irá prevenir picos de glicose e consequentemente de insulina, o que é bom para indivíduos com diabetes e também ajuda a prevenir a resistência à insulina em pessoas saudáveis.



O Guaraná Melhora o Desempenho nos Exercícios: Um dos benefícios mais poderosos do Guaraná é seus efeitos energizantes. Pois, o Guaraná tem uma estrutura química semelhante à da cafeína, proporcionando um efeito maior do que a da cafeína. Além disso, o Guaraná pode ser mais eficaz do que o café com relação ao seu poder de energizar o corpo, como Guaraná é liberada mais lentamente no corpo para fornecer energia sustentada. A planta estimula diretamente o sistema nervoso central e pode ser tomado em pequenas doses para combater a fadiga e aumentar os níveis de atividade
◦O Guaraná é possuir propriedades diurética.
◦O Guaraná ajuda a Aliviar a dor causada devido a artrite reumatoide.
◦Ele Impede corrimento vaginal.
◦Um antídoto natural para a ressaca

Clique aqui para saber mais :